Taxa de iluminação será discutida após Plano Diretor

318

Carine Corrêa

Presidente da Câmara Municipal de Rio Claro, André Godoy (DEM) participou de transmissão ao vivo promovida pela fanpage do Jornal Cidade de Rio Claro nessa terça-feira (19). Confira a entrevista abaixo:

Reforma 

Os dezenove vereadores que foram eleitos chegaram à Câmara sem uma estrutura física adequada. Nós, naquele momento, fizemos uma Reforma Administrativa para que pudéssemos adequar essa condição de igualdade dos vereadores. Ela foi questionada – tivemos algumas recomendações por parte do Ministério Público (MP). Dentro da realidade da vida pública da Câmara, nós tentamos depois em uma nova Reforma atender a algumas exigências que foram feitas de algumas coisas que já precisariam ser corrigidas em outras legislaturas.

Taxa de iluminação

Esse é um assunto que não vai fugir dos nossos olhos. É um compromisso que assumimos durante a campanha. Então hoje há um projeto sendo desenvolvido que, logo após a votação do Plano Diretor, vai entrar em discussão, que é a questão da taxa de iluminação. Já é um compromisso do nosso prefeito discutir esse projeto da taxa este ano. A intenção dele, ele já disse isso, é a troca de toda a iluminação da cidade. Só cortar a taxa de iluminação não resolve o problema da cidade. Nós temos um projeto para que seja feita a troca de toda iluminação da cidade. Em um modelo talvez de PPP, de PPI, para que possamos atender à demanda da cidade e regularizar a questão da taxa de iluminação.

>>> ASSISTA: clique aqui para conferir a entrevista na íntegra

Projeto 157 

Algumas discussões em relação a impacto financeiro foram feitas. Fizemos uma reunião no gabinete do prefeito. Acredito que estamos perto desse acordo. Falei com o prefeito hoje pela manhã sobre esse projeto e com o presidente do Sindicato. Estamos perto de resolver esse entrave administrativo. Acredito que nos próximos 15 dias estaremos votando o projeto.

Locação

Todo recurso que é repassado para a Câmara, é da Prefeitura. Então, quando você compra um carro, esse carro depois a Câmara não pode vender. Depois de um período de uso, ele volta pra Prefeitura. Volta como uma sucata. Fomos até o Tribunal de Contas, e hoje várias cidades têm adotado esse sistema de locação. No começo do ano nos deparamos com denúncia de locação de veículos.

‘Rua Augusta’

As manifestações sempre acontecem na Câmara – lá é o lugar para as pessoas reivindicarem seus direitos. Essa medida que tomamos em relação ao funcionário Locatelli é por ele ser funcionário da Casa. Não teria esse direito com uma pessoa comum que estivesse lá. Fui orientado como presidente, uma vez que um funcionário se manifestou no plenário, montamos uma comissão com nossos procuradores para que ele fosse ouvido, disse Godoy sobre protesto de Locatelli.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: