Sinfônica fecha as portas por atraso de subvenção

406

Carine Corrêa

Em razão do atraso no repasse da subvenção pela Prefeitura de Rio Claro, a Orquestra Sinfônica fechou as portas nessa segunda-feira (31). Um comunicado foi emitido pela Diretoria Executiva, por meio do presidente André Müzel.

“A diretoria da Orquestra Sinfônica de Rio Claro, na semana de retorno do segundo semestre de aulas, fecha suas portas, motivo: atraso no repasse da subvenção da prefeitura. Os 14 professores da Escola Livre de Música ‘Fábio Marasca’ estão trabalhando sem receber repasse desde o mês de fevereiro. Na sessão extraordinária da Câmara do último dia 7 de julho, foi aprovado em segunda discussão o repasse para a entidade no valor de R$ 235 mil. A escola hoje conta com mais de 500 alunos matriculados, que têm aulas gratuitas em 18 cursos diferentes, instrumentos, prática de orquestra, canto coral, etc. Segundo a diretoria, em reunião no mês de junho juntamente com alguns vereadores, foi firmado um compromisso entre o Presidente da Câmara e o Secretário de Finanças que o repasse seria feito ainda dentro do mês de julho, porém isso não aconteceu. A Orquestra tem trabalhado ininterruptamente há 35 anos, e ao longo de sua história nunca houve tal atraso por parte da prefeitura”, detalhou.

No entanto, na tarde dessa segunda, André Müzel procurou o JC e informou que houve entendimento com a prefeitura e que uma parcela deverá ser paga até esta sexta-feira (4). Enquanto isso, as aulas continuarão suspensas. Reforçou que toda documentação foi entregue por parte da orquestra, mas que dependia de acertos por parte da Prefeitura.

Por sua vez, a administração municipal argumentou que “houve um desencontro no encaminhamento das documentações, situação que já foi sanada com pedidos protocolados nesta segunda pela Orquestra Sinfônica e pela Banda dos Ferroviários”. Acrescentou ainda, via assessoria de imprensa, que “a partir disso as novas documentações irão tramitar para que a Secretaria Municipal de Economia e Finanças efetue os pagamentos”.

Juninho

 “A entidade beneficiada com a subvenção social sempre apresentou importantes trabalhos na área em que atua, não apenas na divulgação da música clássica, com apresentações públicas, mas também na formação de novos músicos, pois atende um grande número de alunos, oferecendo aulas gratuitas para diversos instrumentos musicais”, afirmou Juninho na época em que a subvenção tramitava na Câmara.

2 COMENTÁRIOS

  1. A ESCOLA DE MÚSICA FÁBIO MARASCA, FUNDADA EM MEU GOVERNO, JUNTAMENTE COM O PROF. DR. HELMUTH TROPMAIR E O ENTÃO REGENTE DA ORQUESTRA, MAESTRO CAMERON, É PATRIMÔNIO CULTURAL DA NOSSA QUERIDA CIDADE E PRESTA UM SERVIÇO MAGNÍFICO A TODA COMUNIDADE DE RIO CLARO COM OS CURSOS DE MÚSICA, INSTRUMENTAL, CORAL E OUTROS E DEVE TER ESPECIAL ATENÇÃO DE TODOS OS GOVERNANTES. CUMPRIMENTO O JORNAL CIDADE PELA ATITUDE DE APOIO A ESCOLA DE MÚSICA.

  2. Mas será que não existe NENHUMA empresa privada com interesse em subsidiar a escola de música? Não precisa nem saber a diferença entre forma-sonata e rondó. Não precisa nem conhecer Beethoven. Só pela publicidade, sei lá.

    Depender de políticos, que estão mais preocupados com seus caixas dois, três e sabe-se lá mais quantos, é que não dá.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: