Rio Claro FC perde por 2 a 0 para o Mogi Mirim no Schmidtão

111

Matheus Pezzotti

O Rio Claro FC ainda teve um pênalti não marcado sobre Guaru, no segundo tempo, quando o jogo ainda estava 1 a 0 para o Mogi
O Rio Claro FC ainda teve um pênalti não marcado sobre Guaru, no segundo tempo, quando o jogo ainda estava 1 a 0 para o Mogi

O Rio Claro FC, que buscava somar três pontos para seguir próximo aos líderes do seu grupo, acabou sendo derrotado pelo Mogi Mirim, em casa, por 2 a 0, no início da noite deste domingo (22). Os gols foram marcados por Magrão, que chega a cinco gols neste estadual e é o vice-artilheiro, atrás apenas de Alexandre Pato, do São Paulo, com seis gols. O primeiro foi de cabeça, aos 19 do primeiro tempo e depois, aos 36 da etapa final.

Com o resultado, o Galo Azul segue em terceiro do Grupo 2, com 7 pontos, mesma pontuação do quarto colocado São Bento e na décima posição na classificação geral. Na sua chave, a Ponte lidera com 11 pontos, seguida pelo Corinthians, com 10. O Audax é o lanterna com 4. Já o Mogi completa seu sexto jogo sem perder. Ao lado de São Paulo, Corinthians e Santos, o Sapão é um dos times ainda invictos neste Paulistão e agora soma 4 pontos, vice do Grupo 1, terceiro no geral.

O JOGO
Escalado como titular, o atacante Rodolfo, do Rio Claro FC passou mal e, com dores de cabeça e vômitos, a suspeita é que esteja com dengue. Com isso, o técnico Buião colocou Macena em seu lugar. Com a bola rolando, o Galo Azul não conseguia trocar passes no meio de campo e abusava das ligações diretas, que a zaga do Mogi levava a melhor, assim como no meio de campo, criando jogadas.

Aos 14, o primeiro susto. Valdir bateu falta na entrada da área no travessão. O Galo Azul respondeu com troca rápida de passes, Paulinho tocou em profundidade para Matheus Galdezani, que entrou na área, fintou o marcador, mas bateu fraco para defesa de Mauro.

Aos 19, Valdir cruzou pela direita e Magrão subiu mais que a zaga para, de cabeça, abrir o placar. Três minutos depois, o Azulão quase empatou com Guaru. Após jogada trabalhada pela esquerda, Galdezani bateu prensado, sobrou para o camisa 10, no meio da área, que bateu colocado, mas Mauro saltou para fazer uma espetacular defesa, evitando o empate rio-clarista. Mas o Galo Azul ainda seguia com dificuldades de tocar a bola no meio, sobrecarregando Guaru e a defesa, e não conseguia fazer jogadas pelas laterais e o Mogi quase ampliou aos 32, após lateral cobrado na área, que Magrão cabeceou na trave.

Na volta do intervalo, Buião tirou Nenê Bonilha e colocou Carlinho, jogando no 4-2-3-1, com o lateral-direito improvisado no ataque, pela direita, com Paulinho na esquerda e Macena centralizado.

Desta forma, o Rio Claro FC começava a explorar as laterias, pressionando o Mogi com cruzamentos na área, porém, o Sapão, que jogava recuado à espera de um contra-ataque, seguia melhor e Hyago por pouco não marcou o segundo, após receber na área e tocar na saída de Richard, que Gilberto tirou em cima da linha.

Enquanto o Galo Azul tentava a reação, o Mogi fazia ‘cera’ descaradamente, com os jogadores pedindo atendimento médico e o goleiro Mauro retardando o reinício do jogo nos tiros de meta.

Aos 20 minutos, Guaru recebeu, avançou e na risca da área, foi empurrado pelo zagueiro, mas o árbitro, erroneamente, nada marcou. Apesar da aparente pressão do Azulão, o Mogi estava mais próximo do segundo gol e aos 36, após mais um passe errado no meio do Rio Claro FC, nova jogada na direita em contra-ataque, cruzamento rasteiro para Magrão, livre, apenas escorar para ampliar.

Buião seguiu modificando o time e Jeferson Paulista ainda tentou descontar aos 43, com um chute da intermediária, no ângulo, que Mauro mandou para escanteio.

“Esperamos tomar o gol para acordar, mas mesmo assim, jogamos mal o segundo tempo e não conseguimos reverter o placar. Agora é treinar durante a semana para o próximo jogo”, disse o volante Nando Carandina, na saída do gramado.

O Galo Azul volta a campo no próximo domingo (1), contra o São Paulo, às 16 horas, novamente no Schmidtão, pela sétima rodada. Os ingressos, que começam a ser vendidos na terça-feira (24), e serão disponibilizados da seguinte forma: arquibancada coberta (torcida do Rio Claro FC – R$ 120,00), tubular (ginásio de esportes, torcida do Rio Claro FC – R$ 80,00), arquibancada descoberta e tubular aeroclube (torcida do São Paulo – R$ 120,00).

FICHA TÉCNICA
RIO CLARO FC 0 x 2 Mogi Mirim
Local: estádio Dr. Augusto Schmidt Filho, em Rio Claro
Árbitro: Flávio Rodrigues Guerra
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Daniel Luis Marques
Público: 1.365 pagantes
Renda: R$ 24.520,00
Cartões amarelos: Nenê Bonilha e Matheus Galdezani (Rio Claro FC) e Wagner Silva, Hygor e Magrão (Mogi Mirim)
Gols: Magrão aos 19’/1T (cabeça) e aos 36’/2T (Mogi Mirim)

RIO CLARO FC
Richard; Vinícius Bovi, Gilberto, Pitty e Renan Luís (Jeferson Paulista); Nenê Bonilha, Nando Carandina, Matheus Galdezani e Guaru; Paulinho (Dennis Murillo) e Macena. Técnico: Antonio Carlos Buião.

MOGI MIRIM
Mauro; Valdir, Fábio Sanches, Wagner Silva e Luan; Magal, Hygor (Franco), Val e Edson Ratinho; Magrão (Rivaldo Jr.) e Thomas Anderson (André Luis). Técnico: Claudinho Batista.

2 COMENTÁRIOS

  1. NÃO ESTÃO FAZENDO A LIÇÃO DE CASA, CUIDADO COM O REBAIXAMENTO, ESSA HISTÓRIA DE QUE JOGOU MAL NÃO JUSTIFICA, OU TEM UM PLANTEL E COMISSÃO TÉCNICA COMPETENTE OU ENTÃO VIRA SACO DE PANCADA, CONTRA TIMES PEQUENOS NO PIOR DA HIPÓTESE, JOGANDO EM CASA SERIA UM EMPATE. AGORA VÃO TER QUE BUSCAR ESSES 3 PONTOS FORA DE CASA, AI DEPOIS QUANDO JOGA EM CASA DA VEXAME. COITADO DO NOSSO QUERIDO GALO AZUL.

  2. Estive no estádio acompanhando pela primeira vez o Azulão e confesso que fiquei horrorizado com o número de passes errados e a falta de competência no ataque. Há jogadores que não servem nem mesmo para disputar uma A-2. Temo pelo jogo contra o SPFC, pois se jogar como jogou contra o Mogi, com certeza será um massacre.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: