Augusto Bueno do Prado Filho trabalha como comerciário há 55 anos e declara amor à profissão

Ednéia Silva

A profissão de comerciário foi regulamentada há apenas dois anos, mas Augusto Bueno do Prado Filho exerce a atividade há 55 anos. Começou ainda garoto, em 1960, na antiga Casa Santini, que vendia tintas, porcelanas, fogos e outros materiais. Sua função era varrer a loja, abrir e fechar portas, uma espécie de faz-tudo.

Seu bom desempenho lhe rendeu um convite para trabalhar na antiga Casa das Novidades, famosa loja de tecidos na cidade. Foi lá que aprendeu os meandros da profissão de comerciário e da arte do bem atender. Augusto ficou 35 anos trabalhando na Casa das Novidades. Quando o estabelecimento fechou, Augusto foi trabalhar na Casa Matteo, onde ficou por 15 anos.

Depois que a loja encerrou suas atividades, Augusto foi contratado pelo Recanto das Noivas, onde está há três anos. Em 55 anos de trabalho, Augusto é um dos mais antigos comerciários em atividade no município. Tanta dedicação lhe rendeu várias homenagens, como a festa que ganhou quando completou 50 anos de profissão. O evento foi promovido pelo Sindicato dos Empregados no Comércio de Rio Claro e pela Associação Comercial e Industrial de Rio Claro (Acirc).

O pequeno Luis Henrique Grego Firmano, de 7 anos, recebe a ajuda de Augusto ao experimentar roupa para um casamento
O pequeno Luis Henrique Grego Firmano, de 7 anos, recebe a ajuda de Augusto ao experimentar roupa para um casamento

Além disso, Augusto já foi eleito por duas vezes o Comerciário do Ano quando trabalhava na Casa das Novidades. Na disputa pelo título na etapa regional ficou em segundo lugar. Apaixonado pelo que faz, Augusto não pensa em abandonar tão cedo a profissão. Ele já traça planos para a festa de 60 anos de comércio. “Espero minha festa de 60 anos. Será uma noite deslumbrante, onde as estrelas vão brilhar”, adianta.

Para os novos profissionais que estão iniciando a carreira como comerciário, Augusto aconselha a desempenhar a função com amor e dedicação, além de atender com carinho os clientes. “É uma profissão maravilhosa. Como comerciário aprendi a atender o público, conheci pessoas e fiz novas amizades. Eu amo o trabalho que faço”, afirma.

Hoje, o sindicato estima que existam aproximadamente 5.000 comerciários em Rio Claro, Corumbataí, Ipeúna, Itirapina e Santa Gertrudes, cidades que compõem a base sindical. Depois de anos de luta, finalmente a profissão foi regulamentada em 2013 pela Lei Federal nº 12.790, que também institui o Dia do Comerciário, comemorado em 30 de outubro.