Assassinato em uma chácara situada na Rua 5, no bairro Parque dos Eucaliptos, em Rio Claro

Carine Corrêa

Assassinato em uma chácara situada na Rua 5, no bairro Parque dos Eucaliptos, em Rio Claro
Assassinato em uma chácara situada na Rua 5, no bairro Parque dos Eucaliptos, em Rio Claro

O proprietário da chácara que sediou o baile funk – evento em que ocorreu a morte do jovem Diego Forte na madrugada do último domingo (13) – alega que não recebeu a informação do locatário sobre a festa.

“O responsável pelo evento me procurou quatro ou três dias antes e afirmou que alugaria a chácara para comemorar o aniversário da sogra”, justifica Valdir, que forneceu a identificação apenas do primeiro nome.

Segundo consta do registro da Polícia Militar, Diego Forte, ou “Dieguinho Teteu”, como está identificado nas redes sociais, foi morto com pelo menos quatro tiros. As balas atingiram a cabeça, peito e costas da vítima. O assassinato ocorreu por volta das 2h, no interior da chácara situada na Rua 5-PE do bairro Parque dos Eucaliptos.

“Nunca tive nenhum problema durante todo esse tempo que alugo a chácara. Embora tenha ocorrido essa tragédia lamentável, não houve nenhuma relação com a estrutura da minha propriedade. Conheço a lei, estou à disposição para esclarecimentos”, afirmou o proprietário.

Lei

De acordo com o coordenador de Fiscalização da Prefeitura de Rio Claro, Sérgio Squissato, independentemente do evento realizado em determinado imóvel, quando não for para uso próprio, são obrigatórios alvará – que autoriza o horário especial -, inscrição municipal para eventos e laudo do Corpo de Bombeiros.

Confira a matéria na íntegra na edição impressa do JC desta terça-feira (15). Se você é assinante, clique aqui e confira a edição digital.