Liga de Basquete retira placar e tabelas do Felipão

270

Favari Filho

EXTINÇÃO: aos poucos, o Felipão vai perdendo a estrutura de que dispunha nos certames em que marcava presença; desta vez, levaram apenas o contador e as cestas, porém a quadra também deve ser retirada
EXTINÇÃO: aos poucos, o Felipão vai perdendo a estrutura de que dispunha nos certames em que marcava presença; desta vez, levaram apenas o contador e as cestas, porém a quadra também deve ser retirada

A última quarta-feira (23) amanheceu triste para os torcedores do Rio Claro Basquete e não apenas devido ao tempo nublado que a todos tende consternar, mas sim por causa da retirada do placar e das tabelas do Ginásio Municipal Felipe Karam.

O fato posto a cabo pela Liga Nacional de Basquete [LNB] remeteu à memória do time – que, em 2016, completa trinta e cinco anos de glórias conquistadas em quadras de todo o País – que, recentemente, deixou o NBB [Novo Basquete Brasil] por ausência de apoio da Administração Pública da Cidade Azul.

De acordo com informações da Secretaria de Esportes, obtidas por meio da assessoria de imprensa, quando do recebimento da nova quadra, a anterior foi transferida para o Clube de Campo [local em que existem polos de basquete], para que não ficasse em desuso.

O Caderno de Esportes entrou em contato com a Liga, que informou que o piso flutuante também será retirado, porém ainda não há uma data específica e que o contador e as cestas foram levados para o escrete da cidade de Campo Mourão, no Paraná. Com isso, o Felipão fica temporariamente sem a estrutura para realizar treinos e disputas das categorias de base, que já são tradicionais no município por revelar nomes de destaque no esporte, a exemplo de Vinicius Sossai e Eric Tatu.

Também procurada pela reportagem, a Secretaria de Esportes – por meio da assessoria de imprensa – reiterou que o piso e demais assessórios “foram cedidos pela Liga Nacional de Basquete, que organiza o campeonato nacional”.

Entretanto, “com a desistência da equipe rio-clarense de disputar o NBB 2016/2017, o placar e as tabelas foram retirados para serem utilizados em outro município; caso não haja a necessidade de uso em outro local, o piso permanece no Felipão”, acrescentou a nota. Cabe ressaltar que, conforme constatado pelo JC, que esteve no local, a Seme/Rio Claro já está providenciando a recolocação dos antigos equipamentos no ginásio.

2 COMENTÁRIOS

  1. Na minha visão, a administração pública (secretaria de esportes) não tem que investir no esporte profissional. Os times profissionais da cidade (futebol e basquete) precisam ter uma gestão profissional e transparente, buscar bons patrocínios e incentivos para bancar seus atletas.
    A nova administração tem que dirigir sua atenção às ruas imundas, esburacadas e mal sinalizadas da cidade (principalmente Inocoop e Bairro do Estádio). Incentivar a vinda de grandes empresas e gerar emprego à população.
    E tenho dito!!

  2. Caro Lucas,

    Pra começar, terminar um comentário com “tenho dito” remete à ideia de que você é o dono da verdade, coisa que pelo seu comentário sem nexo e qualidade ruim do texto, definitivamente não é.

    Mas vamos lá: é obrigação, sim, da administração pública incentivar e criar condições propícias para que o esporte se desenvolva em Rio Claro. Evidentemente, os outros pontos levantados por você também são importantes, mas ou eles coexistem, ou quem perde é a população.

    Veja você: o esporte gera renda, empregos, segurança, saúde e educação, tudo de uma vez só, embora indiretamente. Só não investe nisso quem tem a mentalidade pequenininha como um caroço de azeitona.

    E não vou encerrar com o seu popular “tenho dito” porque acho saudável outras opiniões e, mais saudável ainda, não desconsiderar nunca a possibilidade de mudar de opinião. Rever o que se pensa e considerar os pensamentos alheios são sempre bons exercícios.

    Passar bem.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: