Carine Corrêa

HaitiMarcello Casal JrABr
Terremoto e economia precária promovem migração de muitos haitianos que procuram emprego em outros países (Marcello Casal Jr / ABr)

Um grupo de pelo menos 25 haitianos está morando em Rio Claro a trabalho.

A reportagem do JC conversou com os imigrantes e, para eles, a principal diferença entre o Brasil e seu país de origem está nos hábitos culturais.

“Aqui tem bastante samba. Sempre ouvimos falar do carnaval, mas só depois percebemos o quanto está impregnado no país”, disse um dos haitianos, o jovem de 21 anos, Junior Etienne.

Apesar de ter origem haitiana, a família do jovem Etienne está nos Estados Unidos.

A história de Junior no Brasil já tem pelo menos dez meses. Há cerca de cinco ele veio junto com outros amigos do Haiti para o Mato Grosso. Depois de ter trabalhado no estado matogrossense, morou por dois meses em São Paulo e em Rio Claro está há quase 60 dias.

No Haiti, ele diz que a quantidade de brasileiros é similar à quantidade de haitianos no Brasil.

“Tem bastante brasileiro no Haiti, principalmente por conta do Exército”, disse em uma mistura de português com francês.

Sobre a língua no país, Junior, o menos tímido do grupo, diz que na escola eles aprendem francês, espanhol e inglês.

O francês é uma das duas línguas oficiais, mas é falado só por cerca de 10% da população. Quase todos os haitianos falam krèyol (crioulo), a outra língua oficial do país.

No que diz respeito à música, Junior diz que cantores como Gusttavo Lima estão consolidados na massa haitiana. O funk é outro ritmo brasileiro que faz sucesso no país.

“Lá temos a compas, uma estilo popular no Haiti”, contou.

Em Rio Claro, alguns dos haitianos trabalham em uma indústria de componentes elétricos e eletrônicos. Outros estão trabalhando como vigias de estacionamento. Junior Etienne trabalha atualmente como operador de montagem dessa indústria.

“Acho Rio Claro um pouco melhor em termos de estrutura”, opinou.

A gastronomia brasileira, segundo ele, não passa muito longe da haitiana.

“No Haiti, comemos bastante feijão, banana e mandioca, assim como no Brasil”, finalizou.

Números

De acordo com dados do Ministério da Justiça, o número de haitianos no Brasil triplicou no ano passado e é superior a 21 mil.

Somente em 2013, mais de 13 mil haitianos conseguiram garantir o visto de permanência no país.

Para o Ministério da Justiça, o que se destaca nesse recente fluxo migratório não é o número de haitianos que entraram no Brasil, mas sim a diversificação dos migrantes.

O levantamento do Ministério da Justiça demonstra que a principal porta de entrada dos haitianos para o Brasil continua sendo a das arriscadas rotas pela amazônia peruana, utilizadas por eles para chegar a Brasiléia, uma cidade do Acre.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Rio Claro teve três novos casos de Covid