Em 1997, alunos montaram e enterraram cápsula do tempo

Divulgação

Uma atividade “diferente” acontece nesta terça-feira (30) a partir das 9h30 no Lago Azul. Ex-alunos da extinta Escola Semente, de Rio Claro, vão procurar uma “cápsula do tempo” enterrada há 20 anos no parque.

Em junho de 1997, o professor de História Anderson Marsiglia pretendia passar aos alunos a importância da iconografia e documentação histórica. Então pediu que escrevessem uma redação com memórias do que acontecia naquele ano, e como imaginavam que estariam no mundo dali a 20 anos.

Na cápsula também foram armazenadas pequenas lembranças de cada um, como fotos e objetos pessoais, além dos jornais do dia. Passados 20 anos, surgiu o desejo entre os ex-alunos, agora adultos, de rever e estudar o material. Para a busca, a ex-diretora da escola, Maria Teresa de Arruda Campos, relata que o grupo vai contar com apoio de especialistas.

“Será realizado um ensaio de radar de penetração para tentar localizar a cápsula do tempo. A coordenação estará a cargo do professor João Carlos Dourado e do geólogo Iata Anderson de Sousa, ambos do curso de geologia da Unesp de Rio Claro. Neste momento, não será feita a escavação, apenas a localização da caixa”. Num segundo momento, serão solicitadas as devidas autorizações para que a caixa seja removida.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.