VÍDEO: Saúde alega providência em fura-fila no Pronto-Atendimento do Cervezão

99

Antonio Archangelo

Usuária do P.A cobra medidas para punir fura-fila no Pronto-Atendimento do Cervezão
Usuária do P.A cobra medidas para punir fura-fila no Pronto-Atendimento do Cervezão

Usuários do Pronto-Atendimento do Cervezão estão revoltados. Na última segunda-feira, 23 de fevereiro, uma enfermeira da unidade furou a fila de espera por atendimento ao privilegiar uma ex-colega de trabalho.

De acordo com Letícia Madalena de Magalhães de Paula Brandão, mais de 30 pessoas estavam na fila da enfermaria da unidade quando a ex-funcionária chegou com seu irmão e entregou uma ficha para a enfermeira, passando na frente de todos que aguardavam procedimentos médicos. “Ela chegou com seu irmão e simplesmente passou na frente por ser ex-funcionária. Quando fomos perguntar, ela respondeu que erá uma ex-funcionária e que tinha privilégios”, disse, revoltada, Letícia, que procurou o Grupo JC para relatar a situação.

Indignados, os pacientes procuraram o chefe da enfermagem, que condenou a situação e encorajou os pacientes a elaborarem uma carta, relatando a situação e que, posteriormente, foi entregue à chefia da unidade. “Havia muitas pessoas, algumas preocupadas com sintomas de dengue e este rapaz passou na frente de todos por ter privilégios? Queremos saber o que vai acontecer”, citou.

Em nota, a Fundação Municipal de Saúde disse que “já apurou esta situação e está tomando as devidas providências”.

Em 2010, a Saúde municipal foi alvo de denúncias de beneficiamento de pacientes após auxílio político, o caso ficou conhecido como Fura-fila. As denúncias tiveram início em abril daquele ano após a exoneração da ex-secretária municipal de Saúde, Ivete Cipolla, que ao deixar o Governo Altimari tornou público que várias irregularidades estavam ocorrendo na Fundação de Saúde, entre elas o esquema fura-fila.

A partir de então, o assunto começou a ganhar força nas ruas. Um CD foi entregue à então presidente da Câmara Municipal, Mônica Hussni Messetti (DEM), onde constavam declarações de uma pessoa que teria se beneficiado através da interferência política. As denúncias nunca foram comprovadas e o caso caiu no esquecimento da opinião pública.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: