ANA BOTTALLO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Um estudo de efetividade da vacina da Pfizer em Israel mostrou que a vacina reduz em 51,4% casos de Covid-19 entre o 13º e o 24º dia após a primeira dose. Esse valor é muito similar à taxa de proteção conferida pelas duas doses da vacina Coronavac, de 50,7%, segundo o ensaio clínico. No Brasil, a imunização completa com a Coronavac é feita com intervalo de 21 a 28 dias entre as duas doses. Já a Pfizer é aplicada com um intervalo de três meses entre a primeira e a segunda dose.

O artigo descrevendo o estudo foi publicado nesta segunda-feira (7) na revista científica Journal of the American Medical Association (Jama). O estudo não avaliou a efetividade da vacina da Pfizer após a segunda dose, mas estudos conduzidos nos Estados Unidos e Inglaterra confirmaram a maior proteção, de mais de 90%, da vacina após as duas doses.

A pesquisa do tipo comparativa analisou dados de 503.875 indivíduos que receberam a 1ª dose da Pfizer entre os dias 19 de dezembro de 2020 e 15 de janeiro de 2021 no país. A vacina possui registro para uso em toda a população com 16 anos ou mais.

Para avaliar a efetividade da vacina, os pesquisadores do Centro de Pesquisa e Inovação do Instituto Maccabi e da Escola de Saúde Pública da Universidade de Tel Aviv compararam a taxa de incidência de novos casos de Covid em dois momentos: entre o 1º e 12º dia após a primeira dose da vacina e entre o 13º e 24º dia.

Os cientistas diferenciaram também a ocorrência de Covid-19 sintomática contra apenas a infecção por Sars-CoV-2 (casos assintomáticos). Os dados de idade, sexo, índice de massa corpórea, comorbidades e fatores socioeconômicos foram incluídos na análise para saber se tinham menor ou maior peso nos casos de Covid registrados.

De acordo com os resultados, a proteção da vacina foi de 51,4% contra a infecção por Sars-CoV-2 de 13 a 24 dias após a primeira dose. O cálculo é feito subtraindo a segunda taxa de incidência (6,16) da primeira (12,07) e dividindo pelo valor inicial, chegando assim a uma razão de risco (RR) igual a 0,486. A efetividade da vacina é dada por 1 – RR x 100, ou 51,4%.

Para os casos sintomáticos da doença, a efetividade calculada foi de 54,4%. O pico de proteção encontrado foi a partir do 18º dia, quando a incidência de novos casos passou a decair. Não houve diferença estatística significativa por faixa etária, sexo, presença ou não de comorbidades, pacientes oncológicos ou imunodeprimidos.

De acordo com os autores, a principal descoberta da pesquisa está na observação da redução também de infecções assintomáticas. Outro estudo realizado em Israel com profissionais de saúde já havia apontado para uma proteção de 86% da vacina contra casos assintomáticos.

Especialistas em vacinas em todo o mundo afirmam que todas as vacinas aprovadas para uso protegem contra o desenvolvimento da doença causada pelo coronavírus, hospitalização e agravamento do quadro.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia: