Segundo dia do 8º Fórum de Design para Revestimentos Cerâmicos traz temas relevantes

85

O segundo dia do 8º Fórum de Design para Revestimentos Cerâmicos movimentou a sede da Aspacer – Associação Paulista das Cerâmicas de Revestimento. As palestras do período da manhã trouxeram assuntos ligados ao tema do Fórum, Modernidade Líquida, fazendo a plateia pensar, como lidar com tantas transformações e de maneira tão rápida em todas as relações que envolvem os seres humanos, inclusive as relações dos profissionais, com os produtos e com seus consumidores.

Logo às 8h30, a psicóloga e psicopedagoga Ana Paula Santa Helena, iniciou o segundo dia do evento, com a apresentação do tema, Família Multiespécie: o espaço como potencial para relação com os Pets. “Esse termo passa a surgir através da verticalização das moradias. A partir daí, os profissionais arquitetos e designers tiveram que incluir em seus projetos os animais, que passaram a ser membros integrantes das famílias”.

A publicitária Juliana Burza, também trouxe um tema muito polêmico e que foi destaque nessa manhã do Fórum. Falando sobre Economia digital: o papel do design nesta transformação, Burza propôs aos participantes uma nova forma de olhar os objetos e as pessoas, entendendo que as mudanças no comportamento do consumidor foram rápidas e acentuadas nos últimos tempos. “Vivemos uma interação do que é real e o que é virtual muito intensa, e em vez de pensar nisso como um problema, devemos enxergar esse momento como uma oportunidade”.

Encerrou os trabalhos pela manhã, o mestre em comunicação e semiótica, Luís Alexandre Ogasawara, com o tema Por que (não) investir em design?, afirmando que inovar exige riscos e que é preciso fazer algo, melhor, como nunca feito antes. “O design precisa participar de todos os processos da fabricação do produto e porque não atuar até no ponto de venda? Só assim, ele terá novas ideias e argumentos eficazes para propor mudanças e novas soluções”.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: