Fabíola Cunha

2014-12-21-Segueosecoregi_eodeveterpoucac.jpg

Quem espera que o verão compense a estiagem vivida por nossa região durante o ano, poderia tirar o cavalinho da chuva, se houvesse promessa de muita água caindo, o que não é o caso: a estimativa é de que a estação que começa neste domingo, dia 21, tenha muito calor e pouca precipitação.

Segundo o técnico da estação meteorológica do Centro de Análise e Planejamento Ambiental da Unesp, Carlo Burigo, a projeção feita pelo Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec) aponta que não deve chover o suficiente nos últimos dias do ano para alcançar metade da média de chuva dos anos anteriores.

Publicidade

“Os últimos verões já foram abaixo da média em relação ao volume de chuva. A média de chuva no verão em Rio Claro, pela estação do Ceapla, é de 741 mm, então desde 2012 já tem ficado abaixo da média, com 663 mm; em 2013 registrou-se 580 mm, e em 2014, até a presente data, temos 399 mm, quase metade do que é pra chover”, analisa.

Se o verão foi seco, imaginem o resto do ano. Burigo informa que Rio Claro registrou de 1º de janeiro até a última quarta-feira (17) 760 mm, sendo que a média anual no município é de 1.450 mm de chuva.

Em relação à temperatura, o calor deve exigir muita paciência e boa vontade de quem não dispõe de ar-condicionado em casa ou no trabalho, já que os termômetros devem registrar valores na média ou acima da média, como no começo do ano: “Em janeiro e fevereiro as máximas passaram de 35ºC, sendo que no verão anterior ficaram abaixo de 35ºC”, diz. Em outubro o Ceapla registrou 39,8ºC em sua estação meteorológica, localizada no bairro Bela Vista, a maior temperatura dos últimos 20 anos no local.

Carlo Burigo também explica o que tem motivado essa quentura toda no país: “No começo do ano nós tivemos um bloqueio atmosférico, que é uma área de alta pressão que ficou ali atuando na divisa das regiões Sudeste e Sul, impedindo que as frentes frias avançassem sobre nossa região, e a umidade que vem da Amazônia também ficou bloqueada”, diz.

Ele explica que fenômenos como o El Niño (aquecimento das águas do Pacífico) e a La Niña (resfriamento das águas do Pacífico) não chegam a influenciar a Região Sudeste tanto quanto influenciam o Norte e Sul brasileiros.

Mais em Dia a Dia:

Criança de 11 anos morre vítima da Covid-19 em Rio Claro

Escolas privadas de Rio Claro defendem volta às aulas presenciais