Desde o final do mês de maio que o município de Rio Claro não registra chuvas significativas. A informação é do Centro de Análise e Planejamento Ambiental (Ceapla/Unesp/Prefeitura). De acordo com os dados oficiais, a última chuva acima dos 10 mm ocorreu em 31 de maio, com 21,5 mm. Desde aquela época, o tempo seco se fez presente no município, aumentando ainda mais a estiagem.

Segundo o técnico Carlo Burigo, para se ter uma noção, a média de chuvas esperada para o mês de junho era de 44,4 mm. No entanto, os registros apontam que no período a média foi de apenas 13mm, ou seja, três vezes menos que o esperado para o mês passado. Já para julho, a média aguardada é de 26,4 mm.

“Uma frente fria entrou no Estado e se ocorrerem chuvas serão nas cidades do litoral. Para nós, é esperada apenas nebulosidade e queda das temperaturas. O mês de maio também foi bem abaixo da média, eram esperados 61 mm e choveu apenas 11 mm. Para julho a tendência é fechar bem abaixo dessa média também. As chuvas começarão a normalizar somente a partir da segunda quinzena de outubro”, explica.

De acordo com o Departamento Autônomo de Água e Esgoto (Daae), a situação no Ribeirão Claro e no Rio Corumbataí, onde são feitas as captações, está dentro da normalidade para esta época do ano, quando há menos chuvas. “Inclusive, atualmente, está 10% melhor do que estava no ano passado neste mesmo período. Porém, é importante que todos adotem hábitos para economia de água, também como forma de evitar eventual racionamento”, ressalta.

O Daae utiliza dois tipos de medição. No Rio Corumbataí, é feita por telemetria. Atualmente está em 1,5m³/s (metros por segundo), considerado normal para a época do ano. No Ribeirão Claro, a medição é feita com régua. Hoje, a altura da coluna da água está em torno de 0 cm (no nível do represamento). A fase crítica começa a partir de -30 cm.

Com menos chuva, Daae faz orientação

– A mangueira é a grande vilã do consumo responsável. 1 minuto equivale a 18 litros. Por isso, sempre limpe a calçada com vassoura. Se houver sujeira localizada, use balde com água no local. Não desperdice!

– Feche o chuveiro para se ensaboar e tome banho com a menor quantidade de água possível. Fique atento, pois 15 minutos de chuveiro ligado consomem cerca de 135 litros! A redução do tempo de banho diário para no máximo cinco minutos, o consumo é de apenas 15 litros de água.

– Escove os dentes, lave o rosto e faça a barba com a torneira fechada. Cinco minutos com a torneira aberta podem consumir até 12 litros.

– Ao lavar a louça, abra a torneira apenas para o enxágue. Utilizar arejador (chuveirinho) na torneira também resulta em grande economia de água. Se usar máquina, use sempre com a capacidade máxima.

– Instalação de redutores de vazão em torneiras antigas evita o consumo exagerado. Substituição por modelos de torneiras mais modernos também é uma maneira eficaz de economizar água.

– Uma descarga convencional pode gastar até 14 litros de água, enquanto que caixa acoplada, 6 litros.

– Não lave o carro durante esse período. Caso necessário, faça a lavagem com água em balde e panos úmidos. O uso da mangueira para lavar o carro gasta em média 560 litros de água em 30 minutos!

– Reutilize a água da máquina de lavar roupa para lavar o quintal e outras atividades de limpeza doméstica. Não lave o quintal e calçada com água da mangueira.

– Utilizar regadores ao invés da mangueira para molhar as plantas gera muita economia de água, podendo a chegar até 100 litros!

– Fique atento a possíveis vazamentos em sua casa. Um vazamento desse tipo pode resultar perda de uma média 45 litros de água por dia.

Autarquia orienta população a tornar hábito o uso responsável e sem desperdícios da água durante todo o ano e não apenas durante o período de estiagem

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.