Rio Claro e Santa Gertrudes querem proibir canudos feitos de plástico

706

A ‘guerra’ contra os canudos de plástico voltam a ser destaque nas casas legislativas do município e de Santa Gertrudes. Na próxima segunda-feira, dia 10, a Câmara de Rio Claro votará em primeira discussão o projeto de lei de autoria dos vereadores Paulo Guedes (PSDB) e Júlio Lopes (PP) que obriga restaurantes, bares, lanchonetes, ambulantes e similares localizados na cidade a fornecer a seus clientes apenas canudos de papel biodegradável e/ou reciclável individuais e hermeticamente embalados com material semelhante.

Na propositura dos vereadores rio-clarenses, o descumprimento da lei – caso seja aprovada e sancionada futuramente pelo prefeito João Teixeira Junior (DEM) – resultará em multa aos estabelecimentos de pelo menos R$ 500,00. O projeto está em tramitação no Poder Legislativo desde junho do ano passado, mas só nesta semana foi encaminhada para a Ordem do Dia para ser deliberada em plenário.

Santa Gertrudes

Na última terça-feira (4), a Câmara Municipal da cidade vizinha aprovou já em primeira discussão o projeto de lei do vereador Marcelo Ferreira (PSD) que “proíbe o fornecimento de canudos confeccionados em material plástico aos clientes de hotéis, restaurantes, bares, padarias, lanchonetes, entre outros estabelecimentos”; assim como em clubes, salões de festas e de eventos musicais e no comércio ambulante.

De acordo com o parlamentar, a elaboração da propositura foi em função do que tem sido registrado em todo o país no que diz respeito à poluição de rios e oceanos. “Todos esses acidentes que vêm acontecendo pelo uso indiscriminado de plástico. É um ‘start’, pois depois poderão vir também as proibições de copos, pratos e tudo o que for derivado de plástico. Teremos que repensar para poder pensar no meio ambiente”, afirma.

Em Santa Gertrudes há uma ONG, a Spama, que trabalha a proteção dos animais e preservação do meio ambiente e o projeto de lei vem a atender à expectativa da mesma e da própria população como um todo “para poder, pelo menos aqui na cidade, respeitarmos o meio ambiente. É o início de novas atitudes”, finaliza. A propositura será votada em segunda discussão na próxima semana na Casa de Leis.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: