Com 9 anos, Bruno Henrique de Souza Isler é um garoto ativo, saudável e muito querido pelos familiares e amigos. O rio-clarense nasceu com uma doença rara chamada hemimelia tibial e não tem o braço esquerdo.

 Segundo divulgado pelo Orphanet – portal especializado em doenças raras – a hemimelia tibial é uma anomalia congênita rara caracterizada por uma deficiência da tíbia e tem prevalência em 1 a cada 1 milhão de nascidos vivos. A doença pode originar outras malformações congênitas. O diagnóstico pré-natal da doença é possível, por meio de ultrassom, como aconteceu no caso de Bruno.

Na infância, fase da vida em que quase todos os meninos sonham em se tornar super-heróis, o garoto conseguiu ficar muito próximo disso.  É que no último sábado (13) ele testou pela primeira vez seus novos bracinhos que ganhou de presente do Colégio Puríssimo.

Ele levou para casa duas próteses: uma de referência (convencional),  e a outra, que é a cópia da armadura do ‘Homem de Ferro’ – personagem fictício dos quadrinhos publicados pela Marvel Comics.

Ao todo, 18 alunos do Puríssimo participaram do projeto, sendo eles: Murilo, Thais, Júlia, Gustavo, Isabelli, Júlia B., Júlia R., Júlia S, Bruno, Lucas, Leticia, Davi, Vinicius, Angelo, Giovanne, Eduarda, Gabriel, Vitória e Arthur sob supervisão do professor Filippi Ongarelli. Eles levaram dois meses para  projetar e confeccionar as peças.

“Começamos os trabalhos em agosto e usamos diversos materiais como alumínio, ABS (um tipo de polímero utilizado para a impressão 3D), nylon, entre outros. O projeto teve um desfecho maravilhoso. Além de passarmos toda essa área tecnológica para o aluno, é muito importante também falarmos da visão humana. Todos os estudantes sentiram a vibração e foi uma troca de energia muito bacana”, explicou o professor.

Sobre a prótese do ‘Homem de Ferro’, o docente salientou que estudos mostram que algumas crianças se adaptam melhor quando existe um acessório lúdico. “Ela [a criança] acaba aceitando mais quando há essa possibilidade. Na entrega, quando o Bruno viu, ele adorou. E a sensação foi maravilhosa”, comentou ele.

As próteses foram confeccionadas graças ao apoio das empresas Pardillos e Pardillos – com foco na implementação de temas voltados à indústria 4.0 e da NMS – multinacional com foco em soluções de digitalização de produtos e automação de sistemas de digitalização voltado a inspeção dimensional. 

A mãe de Bruno, Milene Gomes de Souza Magri, de 42 anos, disse ao JC que o filho foi um presente de Deus e que ele nasceu para superar todos os obstáculos. 

“É a minha razão de viver. Ele sempre está feliz, sorrindo e agora tenho certeza que isso será em dobro. Com os acessórios, Bruno poderá realizar um sonho antigo, que é andar de bicicleta e também fazer as tarefas escolares depois de muito treino”, comentou.

Bruno, em poucas palavras, ficou muito feliz e agradeceu os novos bracinhos. “Quero muito mostrar para as pessoas. Brincar com ele [o braço]. É muito bom. Estou muito feliz. Muito obrigado a todos da escola. Agora posso pegar um copo direito e vou conseguir levantar os objetos que não conseguia”, disse encantado.

Em 2022, o Ensino Médio mudará e começará a cobrar do educando   muito mais habilidades e competências, do que só teoria. Portanto, o espaço de tecnologia do Puríssimo, é especial para desenvolver novas tecnologias na prática. Para mais informações, entre em contato com o Colégio pelo email: [email protected]

Fotos: Nathalie Leme Bortolotti

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Nove estados anunciam Lei Seca para domingo

Aneel mantém bandeira tarifária verde para outubro