Ocorrência foi registrada na Rua 25 no Jd. Panorama. Arma calibre 12 foi apreendida pela Polícia Civil

Uma ação da Guarda Civil Municipal de Rio Claro no final da noite de sábado (1º) e começo da madrugada de domingo (2), para conter uma aglomeração na Rua 25 entre as avenidas 60 e 62, no bairro Jardim Panorama, terminou com um homem de 29 anos ferido e com a morte da jovem Gabrielli Mendes da Silva, de 19 anos.

A reportagem do JC esteve no plantão policial e conversou com o delegado Dr. Aroldo Cesário Diniz, que informou os relatos contidos no boletim e a versão do GCM, autor do disparo que feriu as vítimas. “No depoimento, o GCM informou que as equipes foram até o bairro após várias denúncias de que havia aglomeração de pessoas, baile funk e festa clandestina no local, onde tem um bar. Chegando, tentaram terminar com a aglomeração e teria havido revolta por parte das pessoas, que atiraram pedras nas viaturas.
Neste momento o guarda civil municipal disse que estava com uma arma calibre 12, acreditou que o armamento estava sem munição e, ao manuseá-la para colocar uma bala de borracha, ocorreu um disparo acidental, atingindo a jovem que estava a cerca de 40 metros dele, e um outro rapaz”, relatou o delegado que estava de plantão na noite dos fatos.

Já pessoas que estavam no local e preferiram não se identificar deram outra versão: “O guarda já chegou apontando a arma e intimidando. De repente veio o tiro. A Gabrielli ficou caída lá no chão por mais de meia hora e nada de socorrerem. Isolaram o local e ficaram esperando sei lá o quê. Só depois disso que foi levada para o hospital”, disse uma testemunha.

Publicidade

“Uma série de erros. Desde o início da pandemia a GCM já veio várias vezes aqui no bairro. Nesse local é um bar de garagem onde junta gente sim, tem barulho mas não é baile funk. Se tivessem desde o início lacrado o local que nem alvará deve ter e cumprido o decreto isso não teria acontecido. Não conhecia a menina, mas a periferia não pode ser marginalizada desta forma”, ponderou um morador.

O guarda civil municipal foi preso em flagrante por homicídio culposo e teve fiança arbitrada em R$ 5 mil. O valor foi pago no início da manhã de domingo (2) por um grupo de GCMs e o autor do tiro colocado em liberdade.

Diante dos fatos, a Secretaria de Segurança, Defesa Civil, Mobilidade Urbana e Sistema Viário de Rio Claro emitiu uma nota oficial: “A respeito da ocorrência atendida pela GCM, lamentamos muito essa fatalidade. O fato será apurado pela Polícia Civil e julgado pelo Judiciário. Na corporação, será instaurado Inquérito Administrativo para apurar a conduta técnica do GCM com relação ao emprego dos procedimentos operacionais. Não podemos, nem devemos fazer julgamentos precipitados. Até que as investigações terminem, o GCM está afastado das atividades operacionais. O que estiver de acordo com a lei será cumprido”, diz parte do texto que ainda coloca a ocorrência como um fato isolado e lembra que a Guarda Civil Municipal vem prestando excelente trabalho de reforço na segurança pública do município.

A arma calibre 12, que tem toda a documentação em ordem, está apreendida e ficará sob a custódia da Polícia Civil até o fim das investigações. Com apenas um tiro, o projétil se desfaz em vários fragmentos, aumentando a área de alcance de um único ponto para vários. De acordo com a família, Gabrielli apresentava sete perfurações no corpo.

Nas redes sociais inúmeros questionamentos foram levantados sobre a checagem do equipamento pelo profissional da guarda antes de sair às ruas e um movimento se iniciou pedindo o desarmamento da corporação. Sobre os assuntos, o comandante da GCM declarou: “O guarda estava apto a manusear a arma. Todos os nossos profissionais passam por treinamentos rigorosos, cursos e psicólogos. Existe todo um procedimento a ser cumprido antes de sair da sede e é exatamente isso que o nosso processo administrativo e a perícia vão fazer para entender de fato o que aconteceu. O que temos é o depoimento dizendo que foi acidental. Desarmar a GCM é inviável, pois temos um papel muito importante dentro das forças de segurança do município”, afirmou Fernando Godoy.

Mais em Segurança: