Prema esclarece obras na Feena

351

Lucas Calore

A empresa de madeiramento Prema, instalada nas dependências da Floresta Estadual ‘Edmundo Navarro de Andrade’ (Feena), está dando prosseguimento ao TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) assinado junto à Fundação Florestal (FF) e o Ministério Público (MP) em benefício do antigo Horto Florestal.

Casa 280

Além da reforma da ponte sobre o Ribeirão Claro, que está em andamento, ainda para este ano de 2017 está prevista a reforma de uma casa na antiga Vila dos Funcionários. Segundo a Fundação, a intervenção dessa edificação objetiva o estabelecimento de uma sede provisória durante o período de reforma da atual sede administrativa e por este motivo deverá ser estruturada para abrigar serviços administrativos, técnicos e informativos ao visitante.

De acordo com Sérgio Luiz Marola, diretor-superintendente da Prema, a empresa entra com a mão de obra, acabamento, paisagismo, entre outras tarefas. Cabe à Fundação Florestal a entrega do madeiramento que será utilizado na obra. “O prazo de entrega da obra passa a contar a partir da entrega do material, o que deve totalizar seis meses”, detalha.

A solicitação do volume da madeira que será usada na reforma da Casa 280 foi entregue em dezembro e a Prema aguarda o retorno do pedido. “Somos conscientes de nossa responsabilidade. É um trabalho volumoso e complexo. Estamos fazendo todos os esforços necessários para entregar os resultados”, finaliza.

TAC

O acordo é uma medida compensatória frente “aos impactos ambientais e os riscos decorrentes das atividades produtivas da empresa”, que resultaram em duas ações civis públicas em trâmite na Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Claro. O documento que estipula o compromisso é assinado pelo promotor Gilberto Porto Camargo e pela promotora Alexandra Facciolli Martins, do Gaema de Piracicaba.

Ponte

Segundo a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SMA), a previsão do término das obras de recuperação do local é para 30 de abril de 2017. A ponte, que fica sobre o Ribeirão Claro, está danificada desde julho de 2016.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: