Prefeitura de Rio Claro confirma ajuste fiscal e corta subvenção da Santa Casa

83

Antonio Archangelo

A prefeitura de Rio Claro confirmou, nessa terça-feira (24), ajuste fiscal para o próximo ano. De acordo com o secretário de Finanças, Japyr Pimentel, devido à queda na previsão de receita, cerca de 10% da verba destinada para custear despesas da administração pública foi cortada no projeto orçamentário de 2016, incluindo a tradicional subvenção concedida à Santa Casa de Misericórdia.

Os cortes orçamentários foram revelados na primeira audiência pública sobre o Orçamento Municipal que tramita na Câmara e deve ser votado até o dia 31 de dezembro.

Só na Saúde, houve uma redução de receita de mais de R$ 31 milhões. “A previsão era de R$ 186,6 milhões e no orçamento reduzimos para R$ 154 milhões”, disse a diretora financeira da Fundação Municipal de Saúde durante audiência, ao elencar cortes na atenção básica, urgência e emergência e alta e média complexidades.

Apenas cinco vereadores participaram de audiência pública para debater orçamento: Juninho, Maria, Agnelo, Júlio e Pereira
Apenas cinco vereadores participaram de audiência pública para debater orçamento: Juninho, Maria, Agnelo, Júlio e Pereira

A oposição cobrou a reintegração da dotação orçamentária destinada à subvenção a Santa Casa. Os parlamentares foram informados que até o dia 31 de outubro o governo federal (através do Sistema Único de Saúde) já tinha repassado mais de R$ 18 milhões à unidade filantrópica. “Peço para que corte o orçamento em mais 1,5% para colocarmos novamente a subvenção à Santa Casa”, defendeu o governista Agnelo Matos (PT).

O corte também foi alvo de críticas de populares presentes na sessão. Representando o movimento Pró Hospital, Agnaldo Fiorio criticou a postura da administração municipal, ao preservar recursos para a Fundação Ulysses Guimarães e efetuar o corte de subvenção à Santa Casa. “Como vocês podem fazer isso? Manter a Fundação, que é um cabidão, e cortar subvenção para a Saúde? A população não quer destinar recursos para a Fundação Ulysses Guimarães”, criticou Fiorio que também é membro da Pastoral da Saúde e do Conselho Gestor da Unidade Básica de Saúde da Avenida 29.

“Estamos num quadro de receita negativa. E se vocês acompanharem os últimos anos, constatarão que a atual administração aumentou os recursos para a Saúde e Educação, que são, sim, áreas prioritárias para o governo”, defendeu o secretário de Finanças, Japyr Pimentel, no final da audiência pública sobre o Orçamento 2016.

3 COMENTÁRIOS

  1. E lamentável o tratamento , que e dado , para a área da sude publica a SANTA CASA TUDO O QUE JÁ ESTA **RUIM** VAI FICAR PÉSSIMO,Hoje filantropia e sinônimo de despesa>>mesmo com tantas isenções , sobreviver vai ser impossível>>>para a santa caso de misericórdia da cidade de,Rio Claro que atualmente com vestimento zero !!!baixar as portas vai ser uma decisão mais inteligente,transformar em um hospital ***particular>>>assim como e o *****Hospital>>São Raphael particular e uma das saídas!!!!já funciona tudo dentro de uma terreno pertencente a **filantropia>>>isto foi um ***xeque*** mate*** para as pretensões.da filantropia!!!continuar a prestar servidos de **qualidade*para os pacientes que for atendidos pelo***.S.U.S>>>>agora realmente as coias ficaram difíceis!!!!!!!!!!!!!

  2. VERDADE! CONCORDO COM O AGNALDO.
    O ULISSES GUIMARÃES SE SENTIRIA ENVERGONHADO COM UMA INSTITUIÇÃO, QUE CARREGA O SEU NOME, MAS QUE NÃO TEM BENEFÍCIO NENHUM PARA A POPULAÇÃO.
    ENQUANTO ISSO, A FUNDAÇÃO DE SAÚDE EMPREGA UM MONTE DE CABIDEIROS POLÍTICOS NÃO CONCURSADOS E NÃO PAGA NEM OS CRÉDITOS ATRASADOS DO FGTS DOS TRABALHADORES, COMO É O MEU CASO, QUE ESTÁ SOLICITANDO HÁ 15 MESES.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: