Em Rio Claro, pneumonia mata mais do que infarto, hipertensão, AVC, diabetes e Alzheimer

Vivian Guilherme

Em Rio Claro, pneumonia mata mais do que infarto, hipertensão, AVC, diabetes e Alzheimer
Em Rio Claro, pneumonia mata mais do que infarto, hipertensão, AVC, diabetes e Alzheimer

A pneumonia é a doença que mais mata em Rio Claro, segundo dados do DataSUS. Somente em 2014, 126 pessoas morreram vítimas de pneumonia por micro-organismos e outras 14 por pneumonia bacteriana. Os números são superiores aos de outras doenças muito temidas pela população, como o infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC), hipertensão, Alzheimer e diabetes.

Segundo a coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Rio Claro, a enfermeira Eliaura Aparecida de Jesus, uma pneumonia ocorre quando há invasão de um vírus ou bactéria nas vias respiratórias pulmonares, e, às vezes, a bactéria se instala logo após uma infecção viral, como uma gripe ou resfriado, aproveitando-se da situação de fragilidade do organismo. “Muitas vezes nestes casos é necessária internação hospitalar”, comentou Eliaura.

De forma geral, Eliaura lembra que a melhor forma de evitar o contágio de doenças é adotando hábitos simples de higiene. “Usar água e sabão para lavar as mãos e limpar os ambientes são formas baratas e eficazes de prevenção e devem ser adotadas por toda a população. Os lugares úmidos e frios favorecem a multiplicação do vírus. Por isso, manter os ambientes ventilados e iluminados com luz solar também ajuda na prevenção.”

Os principais grupos de risco da pneumonia são crianças e idosos. A coordenadora lembra que para esse público os cuidados com a higiene devem ser redobrados. “Para os pequenos, principalmente no ambiente escolar, recomenda-se que, além de incentivar a lavagem das mãos, os brinquedos e objetos de uso comum sejam lavados com água e sabão ou higienizados com álcool gel a 70%. Nas creches, também é importante evitar que as crianças durmam muito próximas. A distância ideal entre elas é de um metro”, disse.

TEMPO SECO
Neste período de tempo seco e mudanças bruscas de temperatura, muitas pessoas ficam gripadas e buscam a automedicação. Sobre isso, a coordenadora explica que, ao tomar medicamentos por conta própria, alguns sintomas podem desaparecer temporariamente, mas isso não quer dizer que o doente esteja curado.

“Além disso, esses medicamentos tratam apenas os sintomas e não são eficazes no combate ao vírus. É importante lembrar que uma boa alimentação, repouso e, principalmente, beber muito líquido são medidas fundamentais para uma boa recuperação e, se os sintomas persistirem, procurar atendimento médico”, finalizou.