Em sua fala no plenário, Pereirinha criticou reajuste e lembrou: “Até o prefeito Juninho quando estava aqui dentro era contra isso”

Carine Corrêa

Durante a sessão ordinária dessa segunda-feira (29), um requerimento de autoria do vereador Yves Carbinatti (PPS) motivou a posição dos parlamentares quanto ao reajuste nas tarifas de água e esgoto, que aumentaram 9,62%. Muitos criticaram a posição do prefeito Juninho da Padaria (DEM).

Líder do governo de Juninho, Ruggero Seron (DEM) informou no plenário acerca de reunião com o superintendente do Departamento Autônomo de Água e Esgoto (Daae) na próxima quinta-feira (1º). “Marquei reunião na quinta-feira com todos os vereadores. O aumento não é proposto pela prefeitura, mas pela Agência Reguladora para a Prefeitura aplicar”, comentou.

Pereirinha (PTB) alfinetou Juninho, e lembrou da autonomia do prefeito quanto a acatar ou não a decisão. “Eu até acredito que a Agência determina ou orienta no valor, mas cabe à prefeitura colocar ou não. Uma inflação de 4,57% e a água subir 10% não pode. Até o prefeito Juninho quando estava aqui dentro era contra isso”, criticou.

Rafael Andreeta (PTB) mencionou que o assunto está em tramitação no Ministério Público. “Pra ir no banheiro em Rio Claro custa muito caro. É um absurdo. A prefeitura tem que estudar melhor se vai acatar ou não. Agradeço ao promotor Gilberto que está tentando barrar esse aumento”, disse. Julinho Lopes (PP) afirmou que questionou a Ares PCJ e o Daae sobre o assunto. “A Ares faz os preços. Quem regulamenta pode ser o Conselho e também o prefeito”, afirmou.

Maria do Carmo (PMDB) sugeriu desafetação de terrenos como possibilidade de recursos à autarquia. “A prefeitura deve ao Daae. Vamos pegar nossos terrenos e fazer uma desafetação e passar recursos”, sugeriu. Rogério Guedes (PSB) foi enfático. “Não podemos estar aceitando isso”, salientou no plenário. Paulo Guedes (PSDB) aproveitou para criticar a gestão passada e a quantidade de reclamações em torno da autarquia. “Temos que lembrar que o Daae nos últimos anos ficou sucateado”, disse.

Requerimento

O requerimento questiona o prefeito, solicitando informações como “o índice utilizado para calcular o reajuste e prestação de serviços do Daae; a proposta para a aprovação do reajuste enviada à Agência; cópia do documento encaminhado à Agência; o porquê de somente as tarifas de água e esgoto apresentarem aumento quase no dobro da inflação e o porquê de as demais tarifas respeitarem a inflação”.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Notícias: