Dividida entre à profissão de esteticista e o amor pela cozinha, Maria Célia de Mattos é destaque nas lentes do 50+ deste domingo (13); rio-clarense abriu sua casa e seu consultório no Centro, em Rio Claro ao JC

Aos 70 anos de idade, algo que não passa pela cabeça de Maria Célia Colin de Mattos é se aposentar. Ela comanda há 25 anos a ‘Estação Beleza’ – espaço especializado em micropigmentação de olhos, boca e sobrancelhas. Limpeza de pele profunda, microagulhamento e mais. “Quando eu paro, eu fico triste. Ser esteticista faz parte da minha vida e, mais do que cuidar da beleza, a gente é responsável por promover o bem-estar das pessoas”, disse.

Quando não está atendendo, o lugar preferido da casa é a cozinha, onde sai um pouco de tudo. No dia da gravação, por exemplo, ela estava preparando um delicioso doce de abóbora para a família e os amigos. “Eu gosto muito. É a minha vida. É o que eu fazia para minhas filhas quando elas eram pequenas. Inclusive, tenho uma netinha, de 10 anos, que ama. Acho que ela já está seguindo as pegadas da vovó”, disse ela.

Raio X

Nome completo: Maria Célia Colin de Mattos

Idade: 70 anos

Profissão: Esteticista

Relacionamento: Casada há 48 anos com Ademir de Mattos

JC – Você acha que depois dos 50 anos aprende-se a viver melhor? 

Maria Célia Colin de Mattos – Aos 50 anos vivemos com plenitude e simplicidade. Aprendi que a felicidade está nos pequenos momentos da vida como um almoço em família, um café da tarde com as amigas, no sorriso de um cliente satisfeito, um congresso na agenda, um passeio diferente, uma viagem programada e nas conquistas daqueles que amamos. Após os 50 anos, sinto que tenho mais foco e clareza para buscar aquilo que me faz feliz além da autoconfiança que permite acreditar que os sonhos nunca envelhecem.

JC – A vida renasce depois dos 50? 

Maria Célia Colin de Mattos – Para quem sonha e tem planos a vida é um eterno renascimento e um constante aprendizado. Depois dos 50 anos, minhas filhas estavam crescidas e independentes, oportunidade em que pude dedicar o tempo, antes totalmente delas, para a construção da minha carreira profissional. Se tivermos objetivo e foco, nos redescobrimos e nos motivamos, sendo que cada dia será uma oportunidade de renascer e fazer acontecer.

JC – Dizem que não há vida boa nessa idade sem três coisas: saúde física, saúde mental e independência financeira. Concorda?

Sem dúvida, precisamos equilibrar esses três conceitos. A saúde física me dá asas para alçar vôos em busca dos sonhos e momentos felizes. A saúde mental é o eixo que dá equilíbrio e estabilidade para desfrutar das conquistas com alegria e a independência financeira patrocina alguns desses sonhos, apesar de muitos nada custarem.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Notícias: