‘Muvuca’ na Rua 5 é amenizada após matéria sobre prostituição no Jardim Público

863

Antonio Archangelo

Freguês negocia programa com jovem em plena região central. Atividade se estendeu para comércio na Rua 5
Freguês negocia programa com jovem em plena região central. Atividade se estendeu para comércio na Rua 5

Calmaria, esta é a sensação dos moradores e comerciantes da Rua 5, avenidas 2 e 4, após reportagem do JC sobre prostituição e pedido de providências por parte da promotoria de Rio Claro. No entanto, os programas continuam a todo vapor. “Da praça para o quarto”, lembra uma comerciante.

Novas informações apuradas pela reportagem dão números à atividade, que vem se transformando em tradição no Centro da Cidade Azul.

De acordo com uma moradora, vizinha das “primas”, como ela se refere às jovens , o rendimento mensal das mesmas é por volta de R$ 4 mil. “Eu já vi, com estes olhos, uma menina depositando dinheiro para a família no Mato Grosso: R$ 4 mil, em dinheiro”, lembra.

“Não sou contra, mas a arruaça em pleno Centro, até a madrugada, mudou a rotina do meu prédio. Depois da reportagem, está uma calmaria no bar onde elas ficavam e realizavam os programas. É num corredor, ao lado. o portão ficava aberto para que os clientes entrassem para o quarto”, disse à Coluna.

“Elas ficavam de madrugada de tanguinha fio dental, em cima de motos, se oferecendo, além do som alto em plena Rua 5, eu tenho dó dos comerciantes”, cita.

Esta semana, o promotor Gilberto Porto Camargo enviou um comunicado, não oficial, às autoridades para que se “tomem providências” com a situação, principalmente, relacionada à quantia pecuniária dada a uma cafetina que explora a atividade na região central, o que configura crime.

Uma fonte consultada pela Coluna comentou que, com a exposição midiática, a cafetina já teria colocado à venda imóveis. “O problema é que sempre tem tráfico de drogas junto, pode ver. Ela tem uma caminhonete novinha no prédio ao lado, que está sendo utilizado como garagem. As meninas vêm de outros estados, muitas com carros”, disse a fonte consultada pela Coluna, que relatou a situação.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: