Mulher luta para evitar despejo no Santa Maria

78

Ednéia Silva

A vendedora de espetinhos Sandra da Mata Durães recebeu nessa sexta-feira (6) uma ordem de despejo da Secretaria Municipal de Habitação. Ela tem até segunda-feira (9) para desocupar a casa que ocupa há três anos no bairro Jardim Santa Maria. A munícipe alega que não tem para onde ir nem condições de pagar aluguel, e tenta sensibilizar a prefeitura para conseguir uma moradia nos programas municipais de habitação.

Sandra conta que, antes de ocupar a casa abandonada, ela morava de alugue. Na época pagava R$ 500,00 por uma casa, mas o valor seria reajustado pelo proprietário. Sem condições de arcar com o aumento, ela se mudou para o imóvel no Santa Maria, do qual ficou sabendo através de amigos. A casa estaria condenada por ter sido construída em local impróprio, em cima de uma mina de água. Após o despejo, a casa será demolida.

Ciente de que não tem a propriedade do imóvel, ela fez inscrição na Secretaria Municipal de Habitação e está à espera de ser contemplada com uma moradia. Segundo ela, a família que mora nos fundos de sua residência conseguiu uma casa popular, mas ela ainda não foi beneficiada. Sandra solicita ajuda das autoridades para conseguir um local para morar.

Em nota enviada pela assessoria de imprensa, a administração municipal afirma que não procede a informação da moradora de que não tenha oferecido qualquer tipo de ajuda.

“A Secretaria Municipal da Habitação conversou com a moradora e deu toda orientação para que ela se cadastrasse nos programas habitacionais do município. A moradora também foi informada da necessidade de sair da casa, pois, além de não ter autorização para morar ali, trata-se de um imóvel que precisa ser demolido, uma vez que não oferece condições de segurança”, explica a pasta.

A assessoria esclarece ainda que “a moradora foi orientada a residir temporariamente com parentes, enquanto aguarda sua vez de receber moradia em programa habitacional, o que será providenciado pela prefeitura”.

A Secretaria de Habitação conclui dizendo que está à disposição da moradora para outros esclarecimentos e orientações.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: