Moradores pedem solução em bairro de Cordeirópolis

174

Vivian Guilherme

Falta de asfaltamento e via de acesso em péssima condição, falta de rede de esgoto, lixo e entulho em diversos pontos, fora outros problemas estão entre as reclamações dos moradores da Comunidade Santa Rita de Cássia, localizada em Cordeirópolis.

Segundo um dos moradores do local, que entrou em contato com o Grupo JC por meio do WhatsApp da Redação (19 9.9942-4100), a comunidade está se movimentando e realizando um abaixo-assinado, no qual pedem mais atenção ao bairro, que segundo eles está “abandonado e esquecido”. Junto à reclamação, moradores enviaram fotos e vídeos que mostram esgoto correndo a céu aberto, focos de mosquito da dengue, lixo em áreas verdes e vias com muitos buracos e barro.

Foto foi encaminhada por moradores do local por meio do WhatsApp do Grupo JC
Foto foi encaminhada por moradores do local por meio do WhatsApp do Grupo JC

Na última sessão camarária, realizada no dia 16 de março, a vereadora Fátima Marina Celin também aproveitou para encaminhar requerimento no qual pede a manutenção e conservação da estrada do Assentamento XX de Novembro e da Comunidade Santa Rita de Cássia, para que os veículos escolares e as ambulâncias possam trafegar.

Em contato com a prefeitura de Cordeirópolis, a administração informou que o local se trata de uma área de ocupação que existe há dez anos, mas que vem buscando formas de legalizar a área. De acordo com a assessoria, “a prefeitura tem prestado toda a assistência ao bairro, fornecendo transporte escolar, ambulância, água e até mesmo construiu uma caixa d’água no ano passado no local”.

Sobre o acesso ao Santa Rita, a prefeitura disse que a via que leva ao local se encontra em terreno particular, por isso a administração vem negociando para a desapropriação da área. Ainda sobre o esgoto, foi informado que a via é muito estreita para a construção de um tronco coletor de esgoto, por isso também precisa desapropriar terras para poder implantar as redes de coleta. “A prefeitura está em negociação”, informou a administração pública.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: