Mesmo com reforma, Câmara Municipal devolve R$ 1,6 milhão

97

Antonio Archangelo/Coluna PolítiKa

Agnelo Matos (PT) entrega cheque com valores repassados pela prefeitura à Câmara como resultado de economia
Agnelo Matos (PT) entrega cheque com valores repassados pela prefeitura à Câmara como resultado de economia

A Câmara Municipal sob a presidência de Agnelo Matos (PT) devolveu aos cofres municipais a quantia de R$ 1.634.805,93, para demonstrar a economia realizada em 2014, mesmo com a realização de reforma no terceiro andar do Paço Municipal, onde funciona o Legislativo.

O valor, de acordo com o petista, envolve R$ 300 mil devolvidos em abril; além de R$ 415,9 mil devolvidos nessa terça-feira, 30 de dezembro; R$ 750 mil do fundo para construção do Legislativo, que foi extinto; R$ 131.219,84 da licitação para gerenciamento da folha de pagamento do Legislativo; e R$ 37.675,59 de rendimentos de aplicações financeiras realizadas pelo Poder. As informações foram confirmadas pelo secretário municipal de Economia e Finanças, Japyr Pimentel.

REFORMA

Agnelo também citou que a aprovação da Reforma Administração do Legislativo, aprovada na última sessão ordinária do ano, renderá mais R$ 1,1 milhão de economia em relação à folha de pagamento de funcionários da Câmara a partir de 2015.

>>> Café JC: Agnelo Matos e Zaine ressaltam reforma administrativa da Câmara

Cabe lembrar que, sobre a citada reforma, o promotor de Justiça, André Vitor de Freitas, agora assessor do Núcleo de Patrimônio Público, disse que já tomou conhecimento da “manobra” arquitetada para que a Mesa Diretora incorra contra sentença que pediu exoneração de comissionados do Legislativo rio-clarense.

“Entendemos que não só a contratação da Fundace (empresa que fez os estudos da reforma administrativa da Câmara) já era desnecessária, pelo menos para este motivo, mas também que esta proposta de reforma tem evidente propósito de dissimular a permanência de alguns comissionados na Câmara, sob outra denominação. Vamos analisar o projeto em cotejo com a sentença e as demais disposições constitucionais. Vamos tomar as providências necessárias”, comentou à coluna.

Agnelo Matos deixa a presidência da Câmara no dia 31 de dezembro, às 23h59.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: