Médicos não conseguiram reimplantar perna de trabalhador rural

5264

Apesar de todo o esforço e agilidade das equipe do SAMU e do policiamento aéreo com o helicóptero Águia que socorreram um trabalhador rural de Corumbataí que sofreu um acidente com um trator e teve parte da perna direita amputada em um sítio, os médicos que o atenderam no Hospital de Clínicas da Unicamp em Campinas não conseguiram realizar o reimplante. A vítima segue internada e seu estado de saúde é considerado estável.

Como aconteceu

Um trabalhador rural de 22 anos ficou gravemente ferido após sofrer um acidente em um sítio em Corumbataí no início da tarde de ontem (28).

Ele estava em um trator realizando o serviço de limpeza de um balcão quando, em determinado momento, ao acionar a bomba d’água, encostou a barra da calça no eixo cardã do trator, que o puxou e, através da rotação, acabou levando à amputação de parte da perna direita da vítima, que na queda também fraturou o braço esquerdo.

A Unidade de Suporte Básico do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Corumbataí foi a primeiro a chegar até o local e na sequência recebeu o apoio da equipe do Suporte Avançado com a ambulância UTI, que se deslocou de Rio Claro até a área rural.

Os profissionais prestaram os primeiros socorros, avaliaram as condições do trabalhador e também do membro inferior amputado. Ao verem a possibilidade de um reimplante, fizeram contato com a base do policiamento aéreo de Piracicaba e solicitaram o apoio do helicóptero Águia para que a vítima fosse transferida no menor tempo possível até um hospital onde pudesse passar por cirurgia.

Em pouco tempo o resgate aéreo chegou ao aeroclube de Rio Claro, onde os profissionais do SAMU já estavam posicionados para transferir o paciente, que foi levado consciente e orientado até o Hospital de Clínicas – Unicamp na cidade de Campinas, onde uma equipe médica especializada já o aguardava.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: