Rio Claro concluiu nesta semana levantamento trimestral para avaliar a densidade larvária no município em relação ao mosquito transmissor da dengue. A análise de densidade larvária (ADL) realizada pela Fundação Municipal de Saúde de Rio Claro teve resultado de 0,44, índice satisfatório de acordo com a classificação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Com isso, o município registra importante melhora no índice larvário, já que na análise anterior, realizada em abril, o município teve índice de 3,83.

“A melhora no índice não quer dizer que podemos nos descuidar nas medidas preventivas”, destaca Giulia Puttomatti, presidente da Fundação Municipal de Saúde.

Para a análise os agentes do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) vistoriaram 2.514 residências, coletando amostras de larvas. O trabalho foi realizado de 1 a 11 de julho.

“Essa análise é importante para mapear a situação do município e nortear as ações de combate ao Aedes aegypti”, pontua Pedro Buzzá, responsável pelo CCZ.

Os trabalhos preventivos ao Aedes são ininterruptos. As ações incluem visitas realizadas nas residências diariamente, retirada de criadouros e nebulização, o que foi fundamental para a redução no índice de larvas do Aedes. “É importante que a população também esteja engajada na eliminação dos criadouros, que é a principal medida preventiva”, observa Valdirene Bordin, responsável pelo setor de combate a endemias do CCZ.

Rio Claro tem 332 casos de dengue neste ano, sendo que um novo caso foi confirmado em Rio Claro nesta semana. Não há registros de zika vírus, chikungunya e febre amarela, doenças também transmitidas pelo Aedes aegypti.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.