O Jornal Cidade fez a compilação de dados da Covid-19 referentes a Rio Claro desde o início da divulgação dos boletins epidemiológicos pela Secretaria Municipal da Saúde, em 25 de março de 2020.

Do primeiro boletim até 5 de abril, o município tinha apenas um morador infectado pelo novo coronavírus, número que triplicou em 6 de abril, com três casos. Um mês após a primeira divulgação do levantamento, eram 16 pessoas com a doença.

Os casos começaram a crescer rapidamente a partir de 26 de maio. Naquela data, Rio Claro tinha 43 positivos e, no dia seguinte (27), quase o dobro: 83 infectados. A situação acendeu o sinal de alerta em junho, período que registrou salto de 100 casos a cada, em média, quatro dias.

De acordo com pesquisadores da Unesp Rio Claro, a alta de casos ocorria desde meados de maio, quando o índice de isolamento na cidade diminuiu abruptamente e, posteriormente, ocorreu a flexibilização do comércio.

“Com a obrigatoriedade do uso de máscara, parece que as pessoas se sentiram mais seguras para circularem. Os dados mostram que, se a máscara diminuiu a transmissão entre elas, o aumento da circulação anulou seu efeito. É o que se observa nessa fase após a obrigatoriedade da máscara”, destaca o pesquisador Prof. Dr. Eduardo Kokubun.

Primeira morte ocorreu no mês de abril

Dos 33 óbitos registradas no município, 25 pertencem ao grupo de idosos

Segundo boletim epidemiológico da Secretaria Municipal da Saúde, o primeiro óbito por Covid-19 em Rio Claro ocorreu no dia 9 de abril. A vítima foi uma idosa de 63 anos que estava hospitalizada no Hospital Regional de Piracicaba.

No período, foram confirmadas sete mortes em decorrência da doença. Em maio, mais seis óbitos ocorreram no município, seguidos de outros 20 em junho. No último dia 25, por exemplo, Rio Claro registrou recorde com seis novas mortes devido à Covid-19, sendo cinco idosos e uma pessoa com 49 anos.

Os idosos são as principais vítimas na cidade. Das 33 mortes registradas, 25 pertencem a esse grupo. “Temos que cuidar dos nossos idosos e redobrar cuidados para evitar a contaminação e transmissão da doença para familiares”, destaca o prefeito Juninho.

Até a data do levantamento feito pelo Jornal Cidade, que compreende o período de 25 de março a 1º de julho, 377 pacientes, também, se recuperaram da doença.

Conforme já noticiado, no dia 3 de junho, após 15 dias de internação, a idosa Eunice Carvalho Barros, de 80 anos, recebeu alta hospitalar e se tornou a paciente mais velha do município a vencer a doença.