Elektro confirma novo reajuste tarifário entre 0,68% e 9,52% a partir desta quinta

102

Antonio Archangelo/Coluna PolítiKa

Em nota enviada à Coluna, a assessoria de imprensa da Elektro confirmou reajuste tarifário válido com vigência a parte desta quinta-feira, 27.

“A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) definiu na terça-feira (25) o reajuste de 0,68% para os clientes residenciais e 9,32% para os grandes consumidores, como indústrias. Isso significa que, para os clientes residenciais, uma conta de R$ 100,00 passará para R$ 100,68 (ambos valores sem a cobrança das bandeiras tarifárias)”, declarou.

Reajuste tarifário prevê 0,68% de reajuste para os clientes residenciais da Elektro (Foto: Marcos Santos / USP Imagens)
Reajuste tarifário prevê 0,68% de reajuste para os clientes residenciais da Elektro (Foto: Marcos Santos / USP Imagens)

“A Revisão Tarifária da Elektro foi debatida em audiência pública entre 3 de junho e 3 de julho. As novas tarifas entram em vigor a partir de 27 de agosto. Do total da nova conta de energia, apenas 17% se destinam aos custos do serviço de distribuição. O restante é integralmente empregado para arcar com as despesas de geração, transmissão de energia, tributos e encargos setoriais. A Elektro atende 2,4 milhões de consumidores em 223 municípios no Estado de São Paulo e 5 [cidades] no Estado de Mato Grosso do Sul”, concluiu.

Cabe lembrar que, além da bandeira tarifária que encareceu as contas de energia, a Elektro já tinha obtido reajuste de 24,20%. Na oportunidade, a conta de luz ficou mais cara para consumidores atendidos por 58 concessionárias.

A revisão tarifária extraordinária para essas empresas foi aprovada no dia 27 de fevereiro pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e o aumento médio foi de 23,4%. Os maiores reajustes foram para as distribuidoras AES Sul (39,5%), Bragantina (38,5%), Uhenpal (36,8%) e Copel (36,4%). Os mais baixos serão aplicados para as distribuidoras Celpe (2,2%) e Cosern (2,8%).

Os índices aprovados pela Aneel funcionam como um teto, ou seja, o limite para o reajuste que a distribuidora pode aplicar. A empresa tem autonomia para repassar aos consumidores um percentual menor. Esse índice se refere à quarta revisão tarifária da distribuidora.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: