A mais recente pesquisa JC/Statsol, realizada na última semana de julho, aponta que de forma geral os rio-clarenses aprovam a administração do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), quando somadas as avaliações positivas e negativas do levantamento. No entanto, ao se comparar com a pesquisa realizada em março pela Interativa, mostra-se que a avaliação positiva diminuiu e a negativa aumentou no final de julho, as duas, no entanto, dentro da margem de erro de 5%. O índice de munícipes que consideraram o trabalho de Bolsonaro como “regular” também cresceu.

A nova pesquisa Statsol mostra agora que 44,8% dos entrevistados consideram positiva a gestão do presidente, sendo 17,6% “ótima” e 27,2% “boa”. Neste mesmo sentido, em março, na pesquisa publicada pelo Jornal Cidade em parceria com a Interativa, esses índices chegaram a 49,33%, sendo “ótima” a 12,50% e “boa” a 36,83%.

A avaliação negativa, quando somada, aumentou no final do mês de julho. Para 30,2% dos entrevistados, a maneira que o presidente Jair Bolsonaro vem governando o País é desaprovada. Em março, a soma chegou a 26,83% de reprovação. Individualmente os índices oscilam sendo 29,1% “ruim” e 1,1% como “péssima” na nova pesquisa, mas na de março para 15,50% era “ruim” e 11,33% era “péssima”. Os rio-clarenses que consideram a gestão do ex-militar como “regular” subiu de 17,67% no primeiro trimestre para 22,3% em julho.

Publicidade

Do total, 6,17% no período anterior não sabiam avaliar o governo de Bolsonaro, enquanto 2,7% também não souberam/não responderam na nova pesquisa. O levantamento da Statsol ouviu 545 pessoas e a margem de erro é de 5% para mais ou para menos. A pesquisa da Interativa entrevistou 600 pessoas e a margem de erro é de 4,08%.

Eleição

A vitória de Jair Bolsonaro nas urnas teve ampla vantagem em Rio Claro, onde recebeu 79,05% da preferência dos eleitores, com 81.089 votos. O adversário Fernando Haddad (PT) recebeu 20,95% dos votos, chegando a 21.484 no segundo turno.

Mais em Política:

Aldo Demarchi pode voltar à Assembleia em janeiro

Câmara cobra Daae por ações contra falta d’água