Folhapress

O percentual de multas de trânsito por uso de celular ao volante sobre o total quase dobrou no primeiro semestre de 2022 no estado de São Paulo em comparação com os anos anteriores. Foram 140.451 infrações registradas pelo Detran-SP (uma a cada dois minutos, em média), o equivalente a 12,6% de todas as multas aplicadas no período.

No primeiro semestre de 2018, esse tipo de infração representava 6,1% do total. Em 2019, 6,5%, em 2020, 7,4%, e no ano passado, 6,9%.

Como comparação, nos primeiros seis meses de 2021 foram aplicadas 53.964 multas por usar telefone ao volante no estado de São Paulo –em números absolutos, o aumento no primeiro semestre de 2022 foi de 160,2%.

Chama a atenção também o fato de que a capital paulista foi o local de 77,7% das infrações desse tipo no primeiro semestre (109.121 casos).

A multa por uso de celular ao volante é de R$ 293,47, classificada como infração gravíssima e resulta em sete pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

Diretor de Educação para o Trânsito e Fiscalização do Detran-SP, Juan Sanchez afirma que as ações de fiscalização cresceram em relação a 2021. No primeiro semestre do ano passado, São Paulo ainda tinha medidas de restrição contra a Covid-19.

“Ainda assim, esse aumento de autuações pelo uso de celular nos preocupa. Nas próximas campanhas de educação de trânsito, a gente vai trazer esse assunto para que, cada vez mais, o motorista entenda que fazer uso de celular enquanto estiver dirigindo é algo lamentável, que não pode acontecer, por uma questão de cidadania”, diz Sanchez.

RISCO

Segundo diretriz divulgada neste ano pela Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego), os riscos de se envolver em acidentes aumentam 400% quando se checa mensagens de texto e 23 vezes quando elas são digitadas.

As estimativas apontam que o uso do celular ao volante é responsável por quase metade das falhas de atenção ao dirigir. O envio de mensagens de texto é a causa mais grave.

Teste realizado pelo IOT (Instituto de Ortopedia do Hospital das Clínicas de São Paulo) e pela Abramet, no autódromo de Interlagos, mostrou na prática como se dão as falhas de atenção ao dirigir com celular em uso.

Segundo o experimento, os voluntários fizeram curvas exageradas e deram guinadas bruscas ao volante com o telefone nas mãos. Ao conversar pelo aparelho, diminuíram a velocidade de 90 km/h para 60 km/h e, ao enviar mensagens, chegaram quase a parar na pista.

Estudo citado pela Abramet aponta que a conversa ao celular mantém a atividade mental direcionada à chamada mesmo após a ligação. Nas mensagens de texto, permanece o risco de acidente três segundos após o envio. Ou seja, um carro a 100 km/h percorrerá mais de 90 metros com o motorista sob esse efeito.

Segundo o presidente da Abramet, Antonio Meira Júnior, muitos motoristas subestimam os riscos do uso do celular enquanto estão na direção.

Meira Júnior diz, inclusive, que muitos cometem um erro ao acreditar que falar ao telefone é a mesma coisa que conversar com alguém que está ao lado, no banco do passageiro. “Quando você está no carro com outra pessoa, ela está vivenciando o que está ao redor. A pessoa dirige com você”, diz. “Quando está falando com outra pessoa ao telefone, ela não sabe o que está acontecendo”, completa.

Também há um aspecto psicológico envolvido, segundo Meira. “O conteúdo da conversa pode influenciar seu emocional, causar distração que, em poucos segundos, é capaz de provocar um acidente”, afirma.

MêsUso de celular ao volanteTodas as infraçõesParticipação (%)
Janeiro20.244165.17112,3
Fevereiro24.931184.48413,5
Março25.328196.35612,9
Abril23.759191.45212,4
Maio23.795202.71311,7
Junho22.394178.16512,6
Total140.4511.118.34112,6
Fonta: Detran-SP

CUIDADOS

Manusear o celular dirigindo é perigoso para todos que compartilham a via, como o motorista, o pedestre, o ciclista e outros, pois causa distração. Ao desviar a atenção para o aparelho, o condutor pode se envolver em acidentes

Ao tirar a mão do volante para mexer no celular o condutor não terá o mesmo controle físico do veículo
É importante verificar as mensagens antes de sair de casa e depois de chegar ao destino, pois ao digitar uma mensagem o cérebro focará apenas nessa ação, e a direção ficará em segundo plano

Ouvir mensagens de voz enquanto dirige também traz riscos ao motorista porque causa distração, desviando a atenção de sons do trânsito como buzina e sirene

Colocar o aparelho no meio das pernas também não é indicado pois distrairá o condutor quando tocar

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.