Dedé Barbosa comenta ocorrido em Franca

174

Favari Filho

Confira o depoimento do técnico Dedé Barbosa ao Caderno de Esportes do Jornal Cidade acerca do ocorrido no último sábado (8) no embate entre o Rio Claro Basquete e Franca Basquete que terminou em 82X62, resultado que garantiu ao time francano a chance de seguir no campeonato e eliminou o Leão do Campeonato Paulista.

SOBRE O DESENTENDIMENTO EM QUADRA

“Estou passando pelos piores dias da minha vida desde que a partida contra Franca terminou. Já vi e revi centenas de vezes as cenas inaceitáveis da confusão que me envolvi, em vídeos que não param de chegar a meu celular. Sinto vergonha de cada atitude minha, não é essa pessoa que eu quero ser.”

OS MOTIVOS

“Não há justificativa para as minhas ações, portanto não me justifico, mas sim peço desculpa, quero contextualizar e compartilhar os sentimentos que me ocupam desde o fim do jogo. Quem me conhece, sabe que me entrego integralmente ao meu trabalho e envolvo todas as minhas emoções em tudo que faço. Este início de temporada não tem sido fácil para nossa equipe, e esta série de playoff refletiu isso.”

Dedé Barbosa em um dos pedidos de tempo: uma verdadeira aula de como fazer basquete

O FIM DA PARTIDA

“Ao fim do jogo, ainda na quadra muito aborrecido pela justa eliminação, fui surpreendido por uma cusparada vinda de torcedores que continuavam a nos provocar mesmo com a partida encerrada. Realmente não esperava e não aprovo essa atitude, mas não usarei dela para justificar a minha reação descabida.”

A REFLEXÃO

“Hoje, de cabeça fria e consciente do que o meu trabalho representa para milhares de pessoas, consigo avaliar que eu tenho a obrigação de me controlar neste tipo de situação. Tarefa difícil para um sujeito emocional como eu, mas que cumprirei de qualquer maneira.”

O PERDÃO

“Peço desculpas às pessoas afetadas diretamente pelo meu descontrole, aos torcedores presentes ao jogo, aos torcedores de Rio Claro, a todos os fãs de basquete, e, especialmente, ao meu grupo de jogadores e de companheiros de trabalho. Ser treinador é o meu sonho e vivo isso há apenas dois anos e sei que preciso mudar para continuar evoluindo.”

Qual sua opinião? Deixe um comentário: