ÁUDIO: Carlos Carbinatti conquista o ‘octa’ Brasileiro

103

Matheus Pezzotti

Carlos Carbinatti conquistou a vaga nas Paralimpíadas com a conquista do ouro nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto. O paratleta visitou o Grupo JC com as medalhas conquistadas no nacional
Carlos vai disputar as Paralimpíadas em setembro. O paratleta visitou o Grupo JC com as medalhas conquistadas no nacional

A equipe paralímpica de tênis de mesa da Fran TT/Café Morro Grande/Selam fechou sua participação no 49º Campeonato Brasileiro de Inverno de Tênis de Mesa, em Fortaleza, com a conquista de seis medalhas de ouro e duas de prata nas competições individual e duplas, além da segunda colocação no Troféu Eficiência das categorias paralímpicas.

Duas delas foram do rio-clarense Carlos Carbinatti Junior, na Classe 10. A primeira aconteceu no dia 18, em duplas, com Diego Moreira, da Classe 9, quando conquistaram o título pela terceira vez seguida. E a outra foi no individual, quando o paratleta conquistou seu oitavo título nacional, o sétimo consecutivo.

“Digamos que eu esteja no melhor momento. Todos os anos eu estou em um nível um pouco superior que os adversários das categorias e tem que mostrar resultado, ser campeão por fazer parte da seleção e tem que estar sempre evoluindo e nessa evolução os [outros] atletas não estão acompanhando e estou sobressaindo na categoria”, analisa.

O Brasileiro aconteceu poucos dias depois de Carlos retornar ao Brasil, após ter participado dos Abertos da Eslovênia e da Eslováquia quando o para-mesatenista conquistou o bronze inédito e, por conta do cansaço, por pouco não perdeu o título para Cláudio Massad na final.

“Venci todas as partidas por três sets a zero, tentando encurtar o máximo de tempo possível porque faltava energia. Chegou na final, abri dois a zero e acabei despencando de energia, acabou empatando [o jogo] e no quinto set consegui jogar”, comenta.

Agora, Carlos vai seguir os treinos no Centro de Treinamento da Fran TT, em Piracicaba, depois, em uma data ainda a ser marcada, vai treinar no Centro Paralímpico em São Paulo para depois disputar os Jogos Paralímpicos no Rio de Janeiro, que acontecem de 7 a 18 de setembro. “A parte final é ajeitar os detalhes, concretizar o tipo de jogada que vai fazer. Robotizar as jogadas na cabeça, a parte de coordenação fina. É lapidar para chegar bem ‘redondinho’ para jogar bem e não fazer feio”, finaliza.

O áudio de toda a entrevista do para-mesatenista está disponível no player abaixo. Clique para ouvir!

Qual sua opinião? Deixe um comentário: