Folhapress

Segundo informações da Polícia Civil, a testemunha que disse ter visto o momento da queda de MC Kevin, que caiu do quinto andar da sacada de um hotel na Barra da Tijuca (RJ), e seu suposto pedido de ajuda antes do acidente pode ter mentido.

A testemunha em questão é o cantor português Fernando Dimmy Jr., que ao Domingo Espetacular, em agosto, revelou que ouviu pedidos de socorro de Kevin quando estava pendurado no parapeito do hotel. Dimmy afirmou que um amigo do artista estava no local, ouviu tudo e não o ajudou.

Nota enviada ao site F5 afirma que, de acordo com a 16ª DP (Barra da Tijuca), em consulta feita à Polícia Federal, “foi verificado que nenhum estrangeiro com o nome de Fernando Jimmy Júnior entrou ou saiu do país no período citado”. Afirma ainda que “as investigações seguem para cumprir as determinações do Ministério Público”.

Na ocasião, os pais do cantor morto ficaram revoltados ao serem informados sobre as novas revelações sobre a morte do filho, que ocorreu em maio deste ano.

“Meu filho foi uma vítima. Ele era o único de coração puro. O resto era tudo falso, mentiroso, mas Deus tudo vê e a Justiça vai ser feita”, disse Valquíria Nascimento, a mãe do cantor.

“Perdi meu filho por muitas pessoas malditas. Está todo mundo mentindo, isso sim. Desgraçados, agora eu vou atrás de cada um. Ninguém vai ter paz. Ninguém, malditos”, continuou.

Para o pai do cantor, Agnaldo Bueno, o filho não teria pulado se não tivesse sido incentivado. “Que a justiça seja feita”, disse.

A testemunha, que não foi encontrada pelo F5, disse na época que estava em um hotel ao lado do local onde MC Kevin estava hospedado com amigos e com a mulher, a advogada Deolane Bezerra. Dimmy afirmou ter assistido toda a cena da tragédia e acreditava que o cantor havia sido incentivado a tentar fugir do quarto onde estava com uma garota de programa.

RELEMBRE O CASO

O funkeiro Kevin Nascimento Bueno, 23, conhecido como MC Kevin, morreu após cair do 5º andar de um hotel na orla da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro, no dia 16 de maio.

O Corpo de Bombeiros informou que recebeu uma ocorrência por volta das 18h15. De acordo com a corporação do quartel da Barra da Tijuca, o cantor foi levado para o hospital Miguel Couto, na Gávea, zona sul da cidade, em “situação vermelha, ou seja, grave”, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo pouco tempo depois de dar entrada no pronto-socorro.

Um laudo concluído pelo IML (Instituto Médico Legal) apontou o uso de droga sintética MD e cafeína. O laudo pericial sobre a morte de MC Kevin concluiu que a queda “teve como causa aparente um acidente”.

Segundo o laudo, ao qual o F5 teve acesso, o músico apresentava três fraturas na região da face –osso nasal, maxilar e mandibular–, e em outras dez costelas, sendo nos “sétimos primeiros arcos costais anteriores a esquerda e três primeiros posteriores à esquerda”.

Ainda de acordo com o laudo do IML, MC Kevin apresentava também hemorragia subaracnóidea difusa (no espaço entre o cérebro e a membrana que o reveste) e hemorragia subdural em região occipital (entre o encéfalo e o crânio).

CARREIRA

Conhecido por sucessos como “Cavalo de Troia”, “Favelado Vencedor” e “O Menino Encantou a Quebrada”, Kevin contava com 8,6 milhões de seguidores no instagram e 537 mil no YouTube. O artista já fez parcerias com outros artistas do gênero como MC Guimê e Igu.

Nascido na Vila Ede, bairro da zona norte de São Paulo, lançou o último álbum “Fênix”, recentemente.

Pouco mais de um mês antes de morrer, MC Kevin lançou a faixa “Minha Última Música”. A letra, que trata de alguém que trocou o crime pela música e que “vê o melhor da vida sempre andando pra frente” traz também momentos melancólicos. Em um trecho a canção fala sobre “parar”, “dar um tempo” para repensar a vida.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Intervalo:

Salvador cancela festa de Réveillon; Rio e Manaus mantêm evento

DJ Dekister, de Santa Gertrudes, morre aos 34 anos