Câmara Municipal de Rio Claro derruba projeto dedicado a público LGBT

882

A Câmara Municipal rejeitou na noite dessa segunda-feira (19) um projeto de lei que visava instituir no calendário oficial de Rio Claro o Dia Municipal da Parada LGBT. A propositura foi derrubada pelos votos dos vereadores Adriano La Torre (PP), Val Demarchi (DEM), Irander Augusto (Republicanos), José Pereira (PTB), Paulo Guedes (PSDB), Rogério Guedes (PSB), Seron do Proerd (DEM), Thiago Yamamoto (PSB) e Yves Carbinatti (Cidadania).

A matéria, de autoria dos vereadores Maria do Carmo Guilherme (MDB), Hernani Leonhardt (MDB), Geraldo Voluntário (DEM) e Ney Paiva (DEM), recebeu votos favoráveis desses parlamentares e também da vereadora Carol Gomes (PSDB). Os vereadores Rafael Andreeta (PTB) e Júlio Lopes (PP) não estavam no plenário, enquanto Anderson Christofoletti (MDB) e Luciano Bonsucesso (PL) não compareceram à sessão. O presidente André Godoy (DEM) não vota. Nos bastidores, fala-se em articulação envolvendo a bancada cristã para que o texto não avançasse no Legislativo. O objetivo do projeto era dedicar todo terceiro domingo do mês de outubro ao movimento social que visa promover ações de conscientização.

De acordo com Maria do Carmo, no entanto, a Parada LGBT poderá ocorrer mesmo sem a oficialização em lei municipal. “Respeito a opinião dos vereadores. Os LGBTs devem ter cada vez mais participação dentro da sociedade, pois ainda são marcados pelo preconceito. Devemos acolhê-los e ter políticas públicas definidas a eles. O projeto foi para esse sentido, instituir o dia, depois eles fariam o trabalho do evento que vai existir com projeto aprovado ou não, sem dinheiro público. Estamos numa democracia, mas é importante respeitar o que cada um está querendo dizer com seu voto ‘sim’ ou ‘não’”, afirma.

Leila Pizzotti, representante do Movimento LGBT, lamentou a decisão citando sobre a violência que LGBTs sofrem no País. “Achamos um absurdo vereadores que são policiais não votarem a favor, mais ainda os que se omitiram. Mesmo assim o Movimento sai de forma positiva dessa empreitada. Pela primeira vez subiu um projeto LGBT que aborda as políticas públicas. Em momento algum solicitamos verba pública”, afirmou.

Mais projetos

O projeto de lei de autoria do vereador Júlio Lopes (PP), que proíbe a soltura de fogos de artifício que causem ruídos e estampidos, teve pedido de vista de um dia aprovado pelos vereadores. A propositura foi alterada e recebeu a inclusão de uma multa que será aplicada a quem desrespeitar a lei, caso essa seja aprovada e sancionada futuramente. O projeto deve voltar para votação na próxima semana.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: