Vivian Pereira da Silva começou a desenhar aos sete anos, aos 16 começou a frequentar aulas com o professor Denizard

Vivian Guilherme

Vivian Pereira da Silva começou a desenhar aos sete anos, aos 16 começou a frequentar aulas com o professor Denizard
Vivian Pereira da Silva começou a desenhar aos sete anos, aos 16 começou a frequentar aulas com o professor Denizard

Vivian Pereira da Silva é figura carimbada em salões e exposições realizados na Cidade Azul. A artista plástica rio-clarense coleciona prêmios, entre eles menção honrosa em 2009 no 27º Salão de Artes Plásticas de Rio Claro; menção honrosa em 2011 no XI Salão de Artes Novos Olhares; e medalha de bronze em 2014 na XIV Mostra de Artes de Rio Claro “Novos Olhares”.

A artista conta que assumiu as artes plásticas como profissão e, junto ao ofício, também um nome artístico: Vivian Pereira Picasso. A homenagem ao pintor espanhol não é à toa. As linhas assimétricas tão características de Picasso também estão presentes na obra de Vivian. “Minha professora diz que o meu estilo é muito parecido com o dele”, comenta a artista.

Sobre sua trajetória, ela conta que começou a desenhar aos sete anos, como uma brincadeira de criança. “Um dia meu pai me viu desenhando e disse que eu tinha um dom especial para a arte. Então com 16 anos comecei a criar”, relata Vivian, que logo depois começou a frequentar algumas aulas de pintura com o reconhecido professor Denizard França Machado. “Foi meu primeiro professor, ele me aconselhou a conhecer a pintura a óleo, fiz e gostei; ele me disse para seguir nesse caminho e estou até hoje”, afirma.

Os estudos tiveram sequência com Sandra Lorenzon Negrão. “Ela me ajudou e apoiou muito”, acrescenta, mencionando que hoje realiza exposições e ressalta as medalhas e as menções honrosas que já recebeu nos últimos anos.

Sobre as artes em Rio Claro, Vivian não é tão otimista. “As dificuldades são muitas, porque nessa profissão são poucos que conseguem seguir. No meu caso, por exemplo, é muito difícil vender as obras no mercado de arte aqui em Rio Claro, tem pouca cultura”, desabafa.

Apesar das dificuldades, Vivian declara que não pensa em parar de pintar nunca. “Eu tenho muitos sonhos para a minha carreira, não vou parar de pintar, vou continuar esperando uma boa oportunidade para que eu possa mostrar meu trabalho para as pessoas que amam as artes plásticas”, conclui.

Mais em Notícias:

Rio-clarense morre em acidente de moto em Piracicaba

Santa registra 224 casos positivos da Covid-19