É no bairro Elihu Root, região rural de Araras, que mora Luíza Trajano, de 26 anos. A jovem participará, no ano que vem, do concurso ‘Miss Beleza T Brasil’, que será realizado na cidade de São Paulo.

Em conversa com o Jornal Cidade, Luíza disse que está ansiosa e vê nessa oportunidade a possibilidade de mudar de vida. “Apareceu como uma libertação, uma colheita divina de Deus por eu não ter desistido da vida por mais que tudo tenha sido difícil. Essa fase veio para eu acreditar em mim mesma, na minha beleza, no meu potencial”, falou.

O objetivo do concurso é encontrar, entre as candidatas, a mais bem preparada mulher transexual/travesti para representar o Brasil no concurso ‘Miss International Queen’ de 2022.

Quando ela citou que nem tudo foi fácil, o JC a questionou sobre sua infância e adolescência. De fato, Luíza carrega muitas cicatrizes. “Por ser afeminada, era tachada de anormal. Saía da escola e já tinha um grupo de meninos que me agrediam e faziam ameaças. Sofri calada. Chegava em casa e escondia as marcas físicas de meus pais”, contou.

Luíza terminou o ensino médio e foi em busca de um emprego. Outro desafio em sua vida. “As pessoas até pegavam os currículos, mas nunca era chamada para uma vaga, até que comecei a entregar panfletos pelas ruas da cidade. Depois disso, me esforcei e passei em um concurso público municipal”.

Nem só de glitter vive Luíza

Servidora pública do Saema há oito anos, Luíza pode ser vista pelas ruas da cidade exercendo a função de ajudante geral, trabalho que, confessou à reportagem do JC, a enche de orgulho.

“Foram 800 inscritos [no concurso público]. Passei em 8º lugar. Foi uma grande alegria. É claro que, no começo, nem tudo são flores. Tive que lidar com o preconceito. Mas aí mostrei que ser diferente não é nada do que pensam. Batalhamos para o que queremos, igual a todos”.

Sorrindo, ela continuou: “Hoje posso falar que conquistei o meu espaço. Foi um longo processo. No entanto, conquistado com a minha verdade. Com oito anos de casa, me sinto orgulhosa pela pessoa que me tornei. Acredito que tudo o que passei foi um amadurecimento espiritual”, finalizou.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

‘Audote’ é amanhã no Lago Azul

Rio Claro tem morte de idoso por Covid