O Ecoponto localizado no Jardim Indaiá II, entre as avenidas 4 e 5, em Santa Gertrudes, tem sido alvo de reclamações por parte dos moradores há diversos meses por conta do cheiro, presença de animais peçonhentos, fumaça por conta do fogo ateado e pela localização, pois está ao lado da Unidade Básica de Saúde Lázara Dalva Gemignani Timoni.

José Maria Evagelista possui um comércio ao lado do ecoponto, também reside na região e durante conversa com a reportagem do JC falou sobre a situação que todos enfrentam no bairro.

“Está muito difícil conviver com o lixo aqui, além dos bichos que aparecem constantemente, ratos, baratas, até mesmo cobras e escorpiões, temos que conviver com o cheiro da fumaça do fogo que o pessoal coloca aqui, não temos mais o que fazer, precisamos de uma providência da prefeitura, que eles olhem por nós”, fala.

Edvaldo Rodrigues Dias também mora na região e comentou que já precisou abrigar uma vizinha do ecoponto. “Faz dois anos que moro aqui e é sempre a mesma situação, já tive que colocar para dentro de casa a vizinha aqui do lado com as crianças por conta da fumaça, é sempre a mesma coisa, chamamos o bombeiro e muitas vezes até chegar de Rio Claro o fogo já até apagou”, relata.

Procurada, a prefeitura de Santa Gertrudes informou que “está estudando duas áreas com possibilidades de mudança do ecoponto no perímetro urbano. Os prazos serão definidos posteriormente conforme parecer da Cetesb quanto ao licenciamento da área escolhida. A população será orientada como realizar o descarte corretamente durante a mudança”. As informações são da Secretaria de Obras e também do Meio Ambiente.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.