Museu Amador Bueno da Veiga ilustra surgimento e crescimento da cidade de Rio Claro e entrega à população salas recheadas de conhecimento, exposições itinerantes, eventos e muito mais. É o espaço para conhecer muitas histórias!  

Considerado um dos prédios mais bonitos de Rio Claro, o Museu História e Pedagógico Amador Bueno da Veiga abriga muito conhecimento, informações e é excelente espaço para aprender mais sobre a história da Cidade Azul e seu crescimento.

O local recebeu esse nome devido à sugestão feita pelo então presidente do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. O museu também é conhecido como Solar da Baronesa de Dourados. A construção do edifício foi no ano de 1863, para que a esposa do Barão viesse a residir no centro urbano.

Após isso, o espaço abrigou também o Colégio Minervino, Escola de Commercio de Rio Claro, e em 1951, duas repartições do Ministério da Guerra.

No ano de 1963, o casarão, a nova moradia de Amador Bueno da Veiga, bandeirante paulista, foi tombado como Patrimônio da União, para receber o Museu que integrou a rede de Museus Históricos e Pedagógicos do Estado de São Paulo. Neste ano de 2023, seu tombamento completou 60 anos.

Foto – IBGE

A restauração do espaço teve início em 1967 e foi concluída em 1968.

Na madrugada do dia 21 de junho de 2010, a cidade de Rio Claro chorou. Um forte incêndio destruiu totalmente o prédio, que ficou fechado por cerca de dez anos e foi reinaugurado em agosto de 2019. Atualmente, Jaqueline Betiol é a diretora do espaço.

O secretário de Cultura do município, Dalberto Christofoletti, fala sobre a importância do espaço para a cidade de Rio Claro.

“O museu vai guardar a identidade de uma cidade, de um povo, então é muito importante manter essas marcas do passado para que as pessoas compreendam seu presente e possam projetar o seu futuro. Esse resguardo do patrimônio, da história, vai fazer com que a população tenha mais patrimônio e sinta-se mais pertencente ao local”, explica.

Secretário de cultura do município Dalberto Cristofoletti

O espaço recebe visitas dos cidadãos interessados em conhecer mais sobre Rio Claro e sua história e também conhecer o acervo que existe por lá, juntamente com as exposições itinerantes que marcam presença no Museu.

As visitas são guiadas, tanto na parte da manhã, quanto na parte da tarde, sempre com profissionais devidamente capacitadas. Durante a reportagem, o JC conversou com as responsáveis pela monitoria guiada do museu no período da tarde, Paloma Santiago e Beatriz Bueno, que mostraram o que a comunidade encontra na visita ao espaço.

“Nós temos uma sala que fala sobre o prédio do museu com um dos pilares da estrutura original. O incêndio que acometeu o local deixou apenas a fachada de pé. As marcas pretas nesse pilar são das chamas e é o único original que restou”, explica Beatriz, durante a visita guiada feita pela reportagem ao local.

Outro importante marco na história de Rio Claro é sua participação na Revolução de 32. E, claro, o museu tem um espaço totalmente dedicado a isso, inclusive com a réplica de uma trincheira.

“Na sala que trata sobre a Revolução Constitucionalista de 1932, temos muitos itens históricos desse período, como fotos, itens de soldados rio-clarenses, panfletos da época incentivando doação de ouro. E essa sala está aqui para contar o que foi esse movimento”, explana Paloma.

blank
Beatriz e Paloma falam sobre exposição indígena que existe na sala superior do museu

EXPOSIÇÕES ITINERANTES E FESTAS

O museu, além de seu acervo que guarda a primeira lata de cerveja da Skol, equipamentos que mostram a evolução da comunicação, exposição de peças e objetos indígenas, também recebe mostras itinerantes. A programação é sempre divulgada nas redes sociais do espaço. E, claro, o tradicional evento “Uma Noite no Museu” não poderia ser esquecido.

“Fora todo esse acervo, essas salas, nós temos também eventos que aqui são realizados, como publicação de livros, exposições e um que tem se tornado cada vez mais tradicional na cidade, que a população tem abraço, que é o ‘Uma Noite no Museu’, no qual fazemos shows e visitação noturna, permitindo que as pessoas tenham esse contato com o museu, com a história, mas de uma forma lúdica, divertida, com interação, música e outras linguagens artísticas.

O horário de funcionamento é de terça a sexta-feira, das 9 às 12 e das 14 às 17 horas, na Avenida 2, entre as ruas 6 e 7, no Centro de Rio Claro. O telefone para contato é (19) 3534-3788.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.