Rio Claro tem 19 casos confirmados de dengue e 87 suspeitas sob investigação

49

Ednéia Silva

Os trabalhos de combate à dengue em Rio Claro foram tema do programa Jornal da Manhã da Rádio Excelsior Jovem Pan dessa quarta-feira (27).

O chefe de gabinete da Fundação Municipal de Saúde, Edson Rodrigues Filho, falou sobre a epidemia de dengue de 2015 com 21.767 casos confirmados, sobre o novo ano-dengue com 19 casos positivos e a implantação da Sala de Coordenação e Controle da dengue e doenças correlatas, cujo objetivo é promover uma mobilização intersetorial no combate ao Aedes aegypti, que além da dengue também transmite a febre chikungunya e o zika vírus.

Rodrigues explicou que Rio Claro é a primeira cidade da Diretoria Regional de Saúde de Piracicaba a instalar a sala de situação que atende diretriz nacional. A ideia é combater o vetor por meio de ações intersetoriais que vão além da área da saúde. A população também pode e deve colaborar.

A preocupação é grande, visto que um único vetor carrega três vírus e isso complica as ações contra ele. Esse período chuvoso facilita o nascimento de larvas, o que pode aumentar a proliferação das doenças. Rodrigues informou que no ano-dengue, de junho de 2014 a junho de 2015, foram contabilizados 21.767 casos de dengue. No novo ano de dengue, que começou em julho de 2015, o município tem até o momento 19 casos positivos. Nesse período foram feitas mais de 346 notificações. Dessas, 240 foram descartadas e outras 87 ainda estão sob investigação. Segundo Rodrigues, se parte dessas notificações se confirmar, Rio Claro entrará em estágio de alerta para a doença.

O chefe de gabinete também falou sobre Lei municipal nº 4.909/2015, que prevê a aplicação de multa em caso de negligência no combate à dengue, e também sobre a importância da população usar os repelentes registrados na Anvisa e não utilizar os caseiros sem origem de procedência.

Questionado sobre a experiência de Piracicaba, que está utilizando mosquito transgênico no combate à dengue, ele disse que a fundação vem acompanhando a iniciativa, mas destaca que hoje Piracicaba tem número maior de casos que Rio Claro e que a mesma experiência não deu certo na cidade de Jacobina (BA).

Para ouvir a entrevista na íntegra basta clicar no player abaixo.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: