Prefeitura confirma exoneração e Sérgio Santoro fala em transferência

147

Antonio Archangelo/Coluna PolítiKa

Na imagem de arquivo, o ex-superintendente do Procon de Rio Claro, Sérgio Santoro (PMDB)
Na imagem de arquivo, o ex-superintendente do Procon de Rio Claro, Sérgio Santoro (PMDB)

A Prefeitura de Rio Claro confirmou a exoneração, à pedido do superintendente do Procon de Rio Claro, o advogado Sérgio Santoro (PMDB) que deverá ser transferido para a ouvidoria ou para a Fundação Municipal de Saúde. Ele teria entregue uma carta com o pedido ao prefeito Du Altimari (PMDB). A mudança no comando do órgão de defesa do consumidor vinha sendo ventilada desde o carnaval.

“Estou afastado por doença e devo assumir uma nova função em abril”, disse Santoro à coluna. A portaria com a mudança foi publicada no Diário Oficial do Município, dessa sexta-feira (13), mas sem indicar a nova função do peemedebista com 35 anos de militância.

Em maio do ano passado, o trabalho desenvolvido pelo Procon-Rio Claro, ao suposto cartel de Combustíveis ganhou repercussão regional resultando em moção de aplausos aprovada pela Câmara Municipal.

Além da “guerra” contra os preços dos combustíveis, o Procon também ganhou destaque, nos últimos anos, com a cobrança para que os bancos se enquadrassem na lei das filas, fiscalização visando retirar de circulação produtos vencidos comercializados em alguns supermercados da cidade, redes de fast food, entre outros.

Em 2011, o diretor geral do Procon foi escolhido para representar todos os Procons do Estado de São Paulo na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo em debate nacional sobre o “estatuto do torcedor”.

A visibilidade do trabalho no Estado teria resultado em oferta de promoção feita pelo órgão estadual ao ex-superintendente local, que teria rejeitado para permanecer na função no ano passado.

Mesmo sem consenso, o nome do advogado vem sendo especulado como pré-candidato a prefeito no próximo pleito, seja pelo PMDB ou por outra sigla. Santoro nunca confirmou as especulações a reiterou lealdade ao partido.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: