Mas, afinal, o que precisa ser feito para que a cidade ultrapasse o momento de crise? Atrasos no pagamento de fornecedores e aluguéis são mencionados nos bastidores

Antonio Archangelo

R$ 6.773.385,00: este é o valor total do contrato celebrado pela prefeitura com a microempresa Rodrigo Furlanetto Rossi-ME, com sede em São Roque/SP, para executar serviços de veterinária, na modalidade pregão presencial, por meio de ata de registro de preços para atender os animais de pequeno porte, abrigados no Canil Municipal e recolhidos pela prefeitura em estado de sofrimento ou vítimas de maus-tratos.

Assinado pela secretária de Meio Ambiente e vice-prefeita, Olga Salomão (PT), em agosto, o contrato prevê exames e procedimentos como “hospedagem (diária) com alimentação”, “assistência ao parto”, “fisioterapia”, “acupuntura”, “quimioterapia”, “banho”, “tosa”, entre outros.

A divulgação do contrato por meio de documentos enviados pelo gabinete de vereador governista acontece no momento em que a administração municipal é alvo de ações relacionadas à saúde, neste caso, a humana, advindas com a alardeada crise financeira. Como o atraso no pagamento ou o “esquecimento” para 2016 da subvenção da Santa Casa, no valor de R$ 4 milhões, que foi incluída na peça orçamentária após reclamação pública da irmandade do hospital filantrópico; e o não fornecimento de insulinas Lantus e Humalog, bem como o fornecimento de seringas e fitas de aferição glicêmica, alvo de tutela antecipada concedida pela Justiça, impondo multa de R$ 50.000 por descumprimento; além de falta de medicamentos diversos.

O OUTRO LADO

Em sua justificativa, a prefeitura alega que está cumprindo o que solicitou o Ministério Público. “A prefeitura de Rio Claro adota todos os procedimentos necessários ao bem-estar dos animais como solicitado pelo Ministério Público”, cita em nota oficial o governo municipal.

“Assim foi com a assinatura da Ata 47/2015, que elenca os serviços que podem ser prestados pela empresa contratada em processo de licitação e que, em caso de urgência e solicitação do município, terá condições de prestar o atendimento específico com seus valores devidamente registrados neste documento. Esses serviços veterinários poderão ser contratados tanto para os animais de pequeno porte do canil, como para animais de pequeno porte abandonados em condições de sofrimento e resgatados pela prefeitura”, conclui a reposta enviada ao Jornal Cidade.