População deve delatar violência contra idosos

108

Ednéia Silva

População deve denunciar as ocorrências para enfrentamento do problema (foto  ilustrativa)
População deve denunciar as ocorrências para enfrentamento do problema (foto ilustrativa)

Na última segunda-feira, dia 15 de junho, se comemorou o Dia Mundial para Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. Para falar sobre o assunto, o programa Jornal da Manhã recebeu nessa sexta-feira (19) o presidente do Conselho Municipal do Idoso, José Luiz Riani Costa, no estúdio da Rádio Excelsior Jovem Pan. O presidente destacou as várias formas de violência e orientou a população a denunciar as ocorrências para enfrentamento do problema.

Costa comentou que o Dia Mundial de Conscientização tem como objetivo tornar público o problema da violência contra a população idosa. Para ele, é necessário conhecer a magnitude do problema para que se possa fazer o enfrentamento. Segundo ele, na maioria das vezes, a violência acontece dentro do âmbito familiar e nem sempre o caso é denunciado. Muitos idosos se calam porque assumem que erraram na criação dos filhos, sentem-se culpados e merecedores da agressão. Por isso, frisa, é importante fortalecer os vínculos familiares e isso vem sendo feito pelo conselho e pela prefeitura através do trabalho desenvolvido nos programas de saúde da família, Cras, além de educação e cultura.

“A prevenção à violência é o conjunto das política voltadas para a população idosa. E, se houver casos de violência, eles têm que ser denunciados”, afirma Costa, lembrando que a violência não é apenas física, mas acontece de várias outras formas. As agressões podem ser denunciadas ao Conselho do Idoso pelo telefone 3533-2652, Guarda Civil Municipal (153), Polícia Militar (190), Polícia Civil (197), Ouvidoria Municipal (156) e Disque 100.

O presidente comentou sobre a situação das instituições de longa permanência de idosos no município. Segundo ele, o Conselho do Idoso tem uma comissão responsável para acompanhar a situação desses abrigos para verificar se a legislação vem sendo cumprida e se não há registro de casos de violência. A família deve ficar atenta aos sinais para identificar esse tipo de ocorrência.

A violência pode ser resultado de agressão física, mas também psicológica. Existem várias tipificações: abandono, negligência, autonegligência, sexual e medicamentosa. Além disso, ele salienta que qualquer direito do idoso que seja negado por órgãos públicos deve ser denunciado. O áudio completo pode ser conferido no player abaixo.

1 COMENTÁRIO

  1. Pois é, esse é um tema recorrente em todas as esferas da sociedade. Além das agressões físicas no seio familiar, há a da sociedade com as indiscriminações, preconceito, abandono por parte de entidades do governo, em hospitais, nos direitos contemplados em leis e todos esquecem que um dia serão idosos.
    Os idosos sofrem mais do que transparecem, normalmente acham que são um peso, um estorvo, incomodo e são extremamente solícitos, doces, educados, amáveis, compreensivos, sensíveis, éticos, retílineos, pois o passar dos anos nos torna seres melhores.
    É um dó que países como o nosso não possuem memórias no passado pois temos um presente chucro e um futuro com muitas incerteza. Pena que poucos saibam como os idosos são tratados no Canadá, França e Japão, logo quem respeita sua história reconhece seus construtores e os valorizam tendo um presente vigoroso e um futuro promissor. Quem não tem passado, goza de um contemporâneo frágil e um futuro incerto, será que estou muito pessimista?

Qual sua opinião? Deixe um comentário: