O trabalho da empresa Rumo, responsável pelo transporte ferroviário em Rio Claro, foi alvo de questionamentos e inúmeras reclamações ao longo do dia de ontem.

Os relatos, todos muito parecidos, giravam em torno do acionamento a cada 10 ou 15 minutos da buzina (apito) do trem: “Esse já é uma problema que enfrentamos faz tempo, mas entre as 19 horas de domingo e ao longo de toda a madrugada de segunda, nunca tínhamos visto, ou melhor ouvido algo semelhante ao que aconteceu. Um total desrespeito”, disse José Carlos de Oliveira, 73 anos, que mora em um prédio na área central.

Assim como ele, Marisa Campo Verde, que é moradora da Avenida 9, relata que ninguém na residência conseguiu dormir: “Parecia uma represália, uma brincadeira de mau gosto. A cada 10 minutos buzinar? Qual a necessidade disso? Foi excessivo, sequencial e abusivo com quem reside nas imediações, com os moradores do asilo e pacientes do hospital nas proximidades. Uma madrugada de horror”, pontua.

O que diz a empresa

Procurada, a Rumo informou que suas operações seguem todas as normas de segurança vigentes e procuram causar o menor impacto possível à população. A concessionária esclarece que na madrugada há uso da buzina apenas como medida de segurança, com intuito de evitar abalroamento ou atropelamento de pessoas que circulam próximo a via. Os  maquinistas são periodicamente treinados e auditados para seguir corretamente o procedimento de uso desse dispositivo. É importante ressaltar que, caso haja circulação de pessoas em área operacional da ferrovia, o maquinista pode utilizar o dispositivo sequencialmente para alertar e evitar atropelamentos.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Quina de São João teve 11 ganhadores; confira os números

Nova edição da JC Magazine chega aos leitores