O resultado das urnas no último domingo (30 de outubro), que deu a vitória ao candidato do PT Luiz Inácio Lula da Silva com 50,9% dos votos (60.345.999) contra 49,1% do atual presidente do Brasil Jair Messias Bolsonaro (58.206.354), continua a repercutir. Em Rio Claro manifestações, sem liderança específica, acontecem desde então.

No início da noite de ontem (3), rio-clarenses de várias idades se reuniram na Praça da Liberdade, em frente ao Fórum na Avenida 5, para um ato pacífico que visa unir forças para cobrar explicações sobre os números apresentados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Muitos compareceram carregando a bandeira do Brasil nas mãos e todos tinham como ideal a luta “Deus, Pátria e Família”.

Em entrevista ao Jornal Cidade, o líder da Direita Rio Claro, Vitor Roque, declarou: “Por que todas as acusações são rejeitadas? Queremos e merecemos explicações. Não somos antidemocráticos, queremos apenas que as dúvidas sejam esclarecidas. O Tribunal Superior Eleitoral é responsável pelas urnas e eles precisam explicar fato por fato como por exemplo várias urnas com 100% de votos para o Lula. Existe sim uma suspeita de fraude, compra de votos. Não estamos aqui para tirar o Lula e colocar o Bolsonaro. Independente do vencedor que seja algo legítimo. O PT já tem um histórico grande de falcatruas e o que nós cobramos é apenas veracidade”.

Feriado

No feriado de Finados, uma grande manifestação também tomou conta do km 173 da Rodovia Washington Luís, na altura do pontilhão do Inocoop. Rio-clarenses se uniram a caminhoneiros que também cobram respostas a respeito das eleições presidenciais. Não houve bloqueio, porém o trânsito ficou lento no trecho. O Tiro de Guerra de Rio Claro foi outro ponto que recebeu manifestantes no feriado e também na noite de ontem (3).

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Política:

PEC da Transição pode ser votada pelo Plenário na quarta-feira

Refis: emenda ‘bloqueia’ empresas por três anos