Foto de arquivo

O PSB Rio Claro protocolou na Câmara Municipal um pedido de abertura de comissão processante contra o prefeito João Teixeira Junior (DEM). A motivação é quanto ao decreto publicado pelo Poder Executivo que renomeou mais de 200 servidores comissionados após a própria Casa de Leis derrubar o projeto de Reforma Administrativa. Caso avance no Legislativo, pode resultar numa possível cassação do chefe do Executivo.

O assunto já está em discussão na Justiça, conforme o JC vem noticiando. O Ministério Público instaurou um inquérito civil para apurar se houve legalidade na medida da Prefeitura de Rio Claro. Uma decisão sobre isso deve sair nos próximos dias. A administração municipal justifica que há legalidade no decreto e que irá se defender juridicamente. Mais informações você confere na edição impressa do JC nesta quinta-feira (4).