Black Friday aumenta o movimento nas lojas

63

Ednéia Silva

Consumidores conferem produtos em loja de departamentos em Rio Claro
Consumidores conferem produtos em loja de departamentos em Rio Claro

Algumas lojas fecharam as portas; outras enfeitaram com bexigas, faixas e cartazes; e teve também quem usou microfones e carros de som para atrair os consumidores para aproveitar as ofertas da Black Friday. A promessa de promoções e descontos imperdíveis movimentou o comércio do Centro nessa sexta-feira (27).

E não foram somente as lojas de eletrônicos e eletrodomésticos que receberam grande movimento. Lojas de roupas, calçados e confecções também receberam grande público em busca de ofertas. O gerente de uma loja de departamentos, Henrique Luís de Carvalho, disse que o movimento surpreendeu e ficou acima das expectativas.

A loja abriu as portas às 8 horas para atender a clientela. Para atrair os consumidores, Carvalho conta que as peças em promoção com preços em etiquetas amarelas têm mais de 50% de desconto sobre o valor. Além disso, as compras ainda podem ser parceladas em até dez vezes sem juros. Outros produtos também têm descontos, como um jogo de cama de R$ 89,90 que sai por R$ 59,90, toalhas de R$ 14,90 por R$ 9,90 e cobertor que baixou de R$ 99,90 para R$ 59,90.

>>> Comércio local tem dia de Black Friday com promessa de descontos imperdíveis

O entra e sai nas lojas era grande. Mas nem todas as pessoas saíam com sacolas. Muitos decidiram pesquisar os preços antes de fechar negócio. “Já fui em três lojas em busca do melhor preço”, disse o ajudante geral César de Freitas Melo, que estava em busca de um novo celular. Segundo ele, muitas ofertas não apresentavam preços muito diferentes de antes da Black Friday, porque os descontos oferecidos são pequenos. Para Márcia Pires, as melhores ofertas são referentes a produtos de menor valor, como roupas e calçados. Produtos eletrônicos e eletrodomésticos têm descontos menores.

O Procon de Rio Claro colocou equipe na rua para fiscalizar a Black Friday e usou carro de som para orientar lojistas e consumidores. Segundo o diretor José Pires Pimentel de Oliveira Neto, até as 16 horas dessa sexta-feira (27), não tinham sido registrados problemas. Apenas uma loja tinha sido advertida por falta de preços e informações do produto. O Procon deu prazo para que as irregularidades fossem regularizadas.

Pimentel orienta o consumidor a conferir as mercadorias em oferta para evitar problemas posteriores. De acordo com o CDC, fornecedores e fabricantes têm até 30 dias a partir da reclamação para resolver o problema.

1 COMENTÁRIO

  1. Black Friday no Brasil: tudo pela metade do dobro. Sem essa, os lojistas e lojas virtuais sobem os preços uns 20 dias antes e depois dizem que estão dando “desconto”, mas na verdade é o preço praticado de sempre. Quem monitora constantemente uma loja pra tentar pegar uma promoção sabe bem disso.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: