Bancada evangélica consegue apoio federal contra “ideologia de gênero” no PME

160

Antonio Archangelo/Coluna PolítiKa

Ao enfrentar a polêmica referente às questões transversais no Plano Municipal de Educação, que deve ser aprovado até o dia 24, o vereador e pastor Anderson Christofoletti (PMDB) buscou no Congresso Nacional apoio para evitar que questões relacionadas ao gênero e orientação sexual sejam incluídas no texto final do projeto que norteará a educação básica rio-clarense por uma década.

>>> Plano: conselho pede celeridade em programa

Na sessão dessa segunda-feira, 8 de junho, o parlamentar apresentou ao plenário da Câmara três ofícios que endossam seu argumento, que já havia encontrado defensores entre fiéis de denominações cristãs em Rio Claro.

Nos documentos, assinados pelo presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Família e Apoio à Vida, senador Magno Malta (PR); pelo presidente da Frente Parlamentar Evangélica, João Campos (PSDB), e pelo presidente da Frente Parlamentar Católica Apostólica Romana, Givaldo Carimbão (PROS), os parlamentares avisam que “alertamos para que os legisladores municipais fiquem atentos para que se mantenha o firmado nos termos do inciso III do Artigo 2 da Lei 13005/2014, que a matéria foi amplamente debatida e sua redação final representa a vontade do povo brasileiro em proteger todos que se sentem discriminados e não apenas um único segmento da sociedade”, aponta documento assinado em abril.

>>> Munícipes lotam Câmara por plano de educação

O deputado Eros Biondini (PTB), em texto do último dia 20, pede para que vereadores adotem providências para que “não seja incluída qualquer menção aos termos gênero e orientação sexual na lei que vier a estabelecer o Plano Municipal de Educação, bem como nas suas metas”. O senador Magno Malta concluiu o ofício 16/2015, cumprimenta o vereador Anderson pelo “trabalho e coragem” em debater com a sociedade local, educando educadores e em especial as famílias de Rio Claro, com vistas a garantir “o combate e erradicação a toda forma de preconceito e discriminação”.

1 COMENTÁRIO

  1. (JR.32.6) VEIO A MIM A PALAVRA DO SENHOR, DIZENDO: (PV.3.1) FILHO MEU, NÃO TE ESQUEÇAS DOS MEUS ENSINOS, E O TEU CORAÇÃO GUARDE OS MEUS MANDAMENTOS: (SL.91.16) SACIA-LO-EI COM LONGEVIDADE, E LHE MOSTRAREI A MINHA SALVAÇÃO: (AR.7.1) E É PRA JÁ:

    SALVAÇÃO OU EVOLUÇÃO?
    VIVA JESUS!

    Boa-noite! queridos irmãos.

    “É assim que tudo serve, que tudo se encadeia na Natureza, desde o átomo primitivo até o arcanjo, que também começou por ser átomo.”
    Todos nós, Espíritos imortais, ao sermos criados, partimos de um mesmo ponto, recebendo como herança a capacidade de progredir, em medida absolutamente igual, em consonância com a indefectível justiça de Deus. Ao longo dos milênios sucessivos, através do esforço evolutivo individual, vamos revelando a luz divina que trazemos dentro de nós, conforme se depreende da recomendação de Jesus: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens ”. 2

    Jesus não teria feito essa recomendação se não soubesse da existência dessa herança divina imanente em todos os seres, cantada com o nome de amor pelo poeta:

    “O amor em nós, certo existe desde o nosso alvorecer,
    remontando a priscas eras, no esboço do nosso ser.

    Em estado de latência, no dealbar da existência,Deus concede de antemão, a sua herança bendita,que a alma busca contrita nas asas da evolução”.3

    A exteriorização mais ou menos intensa dessa herança divina que trazemos é que nos torna diferentes uns dos outros. Só dentro de uma perspectiva evolutiva é que podemos ver um silvícola feroz e um Francisco de Assis como filhos de um mesmo Deus justo, pois o que diferencia esses dois Espíritos não é a sua natureza, a sua origem, mas, apenas, evolução. As diferenças individuais se originam no homem, não em Deus.

    A evolução do Espírito se efetiva através de inúmeras vidas sucessivas, que lhe oferecem oportunidades variadas de incorporar em si as experiências que o meio lhe propicia, num processo que se pode chamar de desenvolvimento da inteligência e das virtudes que lhe são imanentes. Essa visão da evolução do Espírito é muito clara no Espiritismo.

    Em outras religiões reencarnacionistas, a reencarnação é vista apenas como oportunidade de os Espíritos faltosos retornarem à Terra a fim de reparar seus erros ou de concluir aquilo que deixaram inacabado. Admitem, também, a reencarnação de Espíritos mais adiantados, que retornam ao mundo físico em missão, para ensinar o caminho do Bem. Essas religiões não têm a perspectiva evolutiva.

    O Espiritismo não nega essas duas situações, indo, todavia, mais além, ensinando que não se reencarna só em missão ou resgate, mas que a reencarnação é absolutamente necessária, indistintamente, a todos os Espíritos, por ser inerente ao processo evolutivo.

    Portanto, a reparação de faltas anteriormente cometidas não é vista como punição, mas como elemento essencial da escalada evolutiva rumo à perfeição, a que todos estamos sujeitos. Igualmente, no desempenho de missão sacrificial, o Espírito Superior que a leva a efeito não está fora do processo evolutivo, porque também ele está progredindo, embora nada deva à Terra, tendo o seu retorno sido motivado apenas pelo amor.
    No Espiritismo, a reencarnação ocupa lugar de destaque, constituindo-se num dos pilares básicos de toda sua estrutura doutrinária, contrapondo-se frontalmente à tese salvacionista, ensinada por outros setores do Cristianismo. Em verdade, a respeito de salvação, o Espiritismo vai muito além de outras religiões, pois ao nos ensinar que não existem penas eternas, leva-nos a concluir que todos estamos salvos, porque somos cidadãos do Universo, filhos amados de Deus, habitantes da “Casa do Pai”, conforme ensinou Jesus.

    Em verdade, o Mestre nunca apresentou soluções mágicas de salvação gratuita, com base apenas na fé. Pelo contrário, suas lições sempre foram no sentido de acordar a criatura para a necessidade de assumir sua vida, tomando em suas mãos as rédeas do seu próprio destino: “ renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me”. 4

    São muitas as recomendações do Mestre no sentido de a criatura despertar para a necessidade de progredir: “Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei o bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem” e, mais adiante, continua a recomendação: “Sede, pois, vós outros, perfeitos, como perfeito é o vosso Pai celestial”. 6

    E por ser uma doutrina eminentemente evolucionista e não salvacionista é que o Espiritismo prioriza a oração consciente, o estudo, a reflexão, obediente à recomendação do Espírito da Verdade: “Espíritas! amai-vos, este o primeiro ensinamento; instruí-vos, este o segundo”.

    Assim, se bem atentarmos para a amplitude e profundidade dos ensinamentos de Jesus, veremos que, em última análise, seus ensinamentos se constituem numa ampla proposta de aperfeiçoamento do Espírito, num chamamento ao esforço individual, que não pode ser desenvolvido numa só vida. Por isso, quem medita sobre os ensinamentos e exemplos de Jesus encara o Evangelho não como um livro sagrado que deva ser lido de mãos cruzadas sobre o peito em atitude de reverência, mas o vê como um manual de evolução do Espírito, que traça um roteiro de luz, a ser seguido ao longo de milênios sucessivos.
    Referências:
    1 – O Livro dos Espíritos, item 540.
    2 – Mateus, cap. 5, vers. 16. 3 – José Soares Cardoso (Acordes Espirituais).
    4 – Mateus, cap. 16, vers. 24.
    5 – Mateus, cap. 5, vers. 44.
    6 – Mateus, cap. 5, vers. 48.
    7 – O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. 6, item 5.

    José Passini
    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/accao-do-dia/salvacao-ou-evolucao/#ixzz4OO3dxVEJ

    EVOLUIMOS QUANDO SUPERAMOS OBSTÁCULOS

    “A felicidade não é deste mundo.” (Eclesiastes.)

    O progresso intelectual e moral de cada criatura não acontece sem que haja uma grande dose de boa vontade, representada pelo esforço na superação de desafios, barreiras e obstáculos.

    É um engano pensar que essas urgentes e imprescindíveis conquistas possam nos chegar às mãos de forma gratuita, como um presente dos “céus”.

    A natureza, em toda a sua dimensão, tem dado frequentes exemplos, ao homem, de como atua, em seus mais variados seguimentos, objetivando alcançar os objetivos a que se propõe.

    O rio caudaloso, desejando cumprir sua meta, contorna obstáculos, se projeta em quedas livres, carrega em seu leito material de toda ordem, mas não abandona o propósito traçado.

    A semente vigorosa, para chegar a árvore e se carregar de frutos, visando cobrir a nossa mesa de alimento, não reclama da cova escura e úmida onde começa o seu legado de utilidade.

    A chuva abençoada após cair límpida do espaço não lamenta sua transformação em lama, para regar o solo e criar condições para a continuidade da vida na Terra.

    De nossa parte, assim também precisamos agir. Sem desafios, sem dificuldades e sem esforços jamais sairemos da condição pouco evoluída que ainda ostentamos.

    A vida sendo pródiga – junto com a Providência Divina – no contexto da imensa sabedoria, sempre nos situa, no mundo, com as condições e mecanismos necessários para que tenhamos todos os recursos à disposição, visando à nossa tão desejada evolução espiritual, que obviamente pressupõe o crescimento moral e intelectual, essas duas asas que nos permitirão o voo da evolução. Portanto, os desafios que se apresentam em nossa vida na condição de dificuldades a serem superadas, em realidade, são ferramentas que nos chegam às mãos. Trabalhar com elas com todo o empenho possível, sem reclamações e inconformismos, é o que devemos e precisamos fazer.
    Ninguém, obviamente, em sã consciência, enfrentará os percalços e as lutas dessa vida achando tudo muito bonito e prazeroso, como o aluno que na sala de aula fica apreensivo com a chegada da nova lição, mas tendo a maturidade devida e a consciência de que podemos superar as mais ferrenhas barreiras. Munidos de ideal, perseverança e alta dose de determinação, nada poderá impedir nosso sucesso.

    Diante ainda da condição evolutiva que abrigamos, talvez por inexperiência ou mesmo por falta de compreensão mais acurada, preferimos a vida fácil, descuidada e vivida sem tantos compromissos e responsabilidades. No entanto, tal postura, que muitos de nós adotamos, praticamente nos mantém sempre no mesmo lugar, sem avanços significativos na trilha da nossa evolução espiritual.

    Assim, não lamentemos os desafios e os obstáculos que nos chegam. Dentro do possível façamos o máximo esforço para vencê-los, pois que, a cada vitória obtida, a cada dificuldade superada, aumentamos a nossa estrutura espiritual e, com isso, vamos nos aproximando, mesmo que lentamente, da serenidade que desejamos.

    Como bem expressa o Eclesiastes: “a felicidade não é deste mundo”, mas laborando com dedicação e sempre fiéis às valiosas e inesquecíveis lições de Jesus Cristo, que sabiamente nos orientam pelos caminhos, agindo com acerto começaremos, aqui mesmo na Terra, a usufruir um pouco mais de paz e tranquilidade.

    Tenhamos sempre fé e confiemos totalmente nas ações seguras e prestativas da Providência Divina em nosso favor. Em momento algum estamos sozinhos, pois tudo que está ao nosso redor tem o aval de Deus.

    Meditemos…

    Waldenir Aparecido Cuin

    Forum Espírita

Qual sua opinião? Deixe um comentário: