O embaixador do Brasil na França, Luís Fernando Serra recepcionou o grupo de autoridades policiais composto pelo coronel Rodrigo Arena (comandante CPI-10), major André (subcomandante 1º Baep – Campinas), capitão Verardino (ROTA), capitão Cossani (COE), capitão Pavão (GATE) e 1º sargento Macinelli (GATE)

Seis autoridades policiais estarão nesta terça-feira (9) no auditório do Copom na capital paulista para um encontro que vai trazer novidades na área técnica e tática e contribuir para profissionalização do efetivo policial do Estado de São Paulo. Foram convidadas a participar da reunião todas as unidades de Choque e Baeps. Estarão presentes também representantes de cada policiamento do interior.

Um dos anfitriões será o coronel Rodrigo Arena, atual comandante do CPI-10 de Araçatuba. O rio-clarense esteve recentemente na França junto com outros cinco policiais participando de um intercâmbio com as forças policiais do país.

“Foi uma experiência única e extremamente produtiva conhecer e vivenciar o dia a dia dos profissionais que atuam na área da segurança no país. Assim que chegamos fomos recebidos pelo embaixador do Brasil na França, Luís Fernando Serra. No dia seguinte a este encontro começou efetivamente o nosso intercâmbio. Estivemos no GIGN (Grupo de Intervenção da Gendarmerie Nationale), um dos melhores e mais ativos grupos de operações contra-terrorismo do mundo. Nos dias seguintes também passamos pelo AGIGN de Reims (equivalente aos Baeps no Brasil) que fica em uma cidade próxima à fronteira com a Bélgica. Por lá realizamos estudos de casos e tivemos a demonstração de equipamentos com tecnologia de ponta. Passamos também pelo grupamento blindado, e pelas polícias BRI e RAID, estas referentes à Polícia Civil. Inclusive a RAID possui os fuzis Belga FN que o Baep de Araçatuba possui e que foram usados para o confronto com os criminosos que realizaram o ataque às agências bancárias no dia 30 de agosto”.

Entre os fatos que chamaram a atenção do seleto grupo de policiais do Estado de São Paulo foi que a PM francesa tem o posto de general, fato que não temos aqui: “Além disso outro ponto a se destacar é que as duas polícias tanto a militar quanto a civil fazem o ciclo completo na França. Fazem a prevenção com seu efetivo uniformizado nas ruas e também fazem a investigação. Elas se dividem por área. Há locais onde a Gendarmerie (Polícia Militar) atua e outras a Polícia Nacional”, destacou o coronel que ainda completou: “As despesas nossas como hospedagem, alimentação, transporte foram todas pagas pelo governo francês. Além disso ainda fomos presenteados com essa troca de experiência única que sem dúvida vai agregar no trabalho desenvolvido na área da segurança de todo o Estado de São Paulo”.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Segurança:

Concluída 1ª etapa da obra na rotatória da Avenida 32

10º Baep realiza treinamento de ‘atirador designado’