Após consulta, Acirc decide manter Rua 3 aberta

66

Sidney Navas

Ao contrário do que ocorreu em anos anteriores, desta vez a Rua 3, na região central do município, não será interditada para o trânsito de veículos para as compras de Natal. A decisão foi anunciada pela Associação Comercial e Industrial de Rio Claro (Acirc), depois de realizar uma ‘consulta informal’ aos lojistas.

Informações da assessoria de imprensa da entidade esclarecem que a iniciativa foi tomada atendendo à solicitação dos próprios comerciantes associados e que foram ‘excluídas’ desta pesquisa apenas as empresas varejistas de material de construção, automóveis e supermercados.

COMÉRCIO: lojistas consultados pela entidade acharam melhor não interditar o trânsito na Rua 3, na região central
COMÉRCIO: lojistas consultados pela entidade acharam melhor não interditar o trânsito na Rua 3, na região central

Para a gerente de uma grande loja de departamentos, Soon Lee, a medida foi bem aceita, porque isso tende a aumentar o movimento no comércio em especial na Rua 3 e imediações. Por outro lado, o mesmo assunto divide as opiniões dos consumidores. “Eu concordo. Deixando a via livre para o tráfego de veículos, traz mais comodidade para todos nós”, fala Alda Plens.

Já a dona de casa Silvia Wenzel pensa diferente. Ao ser informada sobre a questão, ela revelou seu descontentamento: “Sou contra. A Rua 3 é estreita demais, no final do ano o movimento cresce consideravelmente e manter a via fechada, em meu entendimento, atrairia mais pessoas para as lojas”.

Previsão de vendas

A Acirc também quis saber de seus associados quais são suas expectativas em relação às vendas. Foi questionado apenas se a expectativa era positiva ou negativa em relação ao mesmo período do ano passado. Como resposta, a associação recebeu o seguinte comentário: 55% dos varejistas têm expectativas positivas, ou seja, eles acreditam que irão vender igual ou em maior volume em relação ao mesmo período. Por outro lado, 45% dos lojistas consultados pela Acirc disseram que irão vender um volume menor neste Natal em relação ao mesmo período de 2014.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: